Brasil fica de fora de parceria por florestas na COP27

Ursula von der Leyen

10 de novembro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Em 8 de novembro, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, em nome da UE, assinou cinco memorandos de entendimento para uma parceria florestal com a Guiana, Mongólia, República do Congo, Uganda e Zâmbia na presença do presidente da Guiana Mohamed Irfaan Ali , Presidente da Mongólia Ukhnaagiin Khürelsükh, Presidente da Zâmbia Hakainde Hichilema e representantes do Presidente da República do Congo, Denis-Christel Sassou Nguesso, e do Presidente do Uganda Yoweri Museveni. Eles foram assinados durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas COP27 como uma contribuição para a dimensão externa do Pacto Verde da UE.

As Parcerias Florestais abrangem o quadro de cooperação holística da UE para o trabalho conjunto sobre as florestas, destinado a reverter a desflorestação nos países apoiados e, consequentemente, melhorar a proteção do clima e da biodiversidade. As florestas atuam como sumidouros de carbono e são essenciais para a adaptação e mitigação do clima.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse: “As florestas são essenciais em muitos aspectos: lutar contra as mudanças climáticas, proteger a biodiversidade, fornecer meios de subsistência a milhões em todo o mundo. De fato, as florestas abrigam 80% das espécies terrestres de plantas, animais e microrganismos, enquanto 1,6 bilhão de pessoas dependem dos recursos florestais para sua subsistência, alimentação e combustível. Com tanto em jogo, é fundamental realizar ações impactantes e reverter o desmatamento. Portanto, precisamos de Parcerias Florestais com o maior número possível de parceiros para manter florestas saudáveis para um futuro mais sustentável. Por meio dessas parcerias, apoiaremos nossos parceiros na gestão e preservação sustentável das florestas, um dos recursos naturais mais ricos do mundo para combater as mudanças climáticas e conservar a biodiversidade, bem como promover o desenvolvimento sustentável”.

A iniciativa conta com 26 países. O Brasil porém não participou apesar de possuir a maior floresta tropical do planeta. O Itamaraty afirmou que há foros melhores para tratar das necessidades dos países em desenvolvimento.

Fonte