Saltar para o conteúdo

“Séria tendência de aquecimento global” continua, segundo a NASA

Fonte: Wikinotícias
Mudanças na temperatura da superfície global de 1880 a 2023 (linha preta) em relação à média de 1850–1900.

22 de abril de 2024

Email Facebook X WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A Terra continua a registar temperaturas mais quentes e a Organização Meteorológica Mundial (OMM) alertou para as graves consequências do aumento das temperaturas.

2022 foi o sexto ano com as temperaturas mais altas desde 1880, segundo relatório elaborado por cientistas da Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA) e da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA).

O aquecimento, em dados

O pior aconteceu em 2023, quando foram registrados números recordes e, segundo especialistas, isso abriu a porta para um aumento de inundações, incêndios florestais, derretimento de geleiras e ondas de calor intensas e abundantes no futuro.

“Continuamos nesta tendência grave de aumento de temperatura. E outro facto importante é que os últimos nove anos foram os mais quentes desde que começámos a fazer medições", disse Carlos del Castillo, chefe do Laboratório de Ecologia Oceânica do Centro de Voo Espacial Goddard da NASA, em declarações à Voz da América, convencido de que " o problema é que a tendência é aumentar inexoravelmente as temperaturas ao longo deste ciclo.”

Porém, o aumento das temperaturas em todo o planeta não está ocorrendo de forma igual, há locais onde esse aquecimento é ainda mais acentuado. “Por exemplo, no Ártico, nos hemisférios, nas latitudes mais altas em direção ao norte, a mudança pode ser até quatro vezes maior. E em alguns lugares é um pouco abaixo da média, e isso se deve aos padrões das correntes oceânicas e dos ventos, entre outras coisas”, disse o especialista.

As Nações Unidas designam o dia 22 de Abril como Dia Internacional da Terra com o objectivo de aumentar a consciencialização sobre os problemas climáticos globais, resultantes do aquecimento global, das alterações climáticas e de outros fenómenos meteorológicos que geralmente são resultado de actividades humanas.

Da organização internacional sublinham que “as alterações climáticas, as alterações humanas na natureza e os actos que prejudicam a biodiversidade, como a desflorestação, a mudança no uso do solo, a agricultura e pecuária intensivas, ou o tráfico ilegal de espécies, podem intensificar a destruição do planeta”.


Fonte[editar | editar código-fonte]