Brasil arquiva denúncia contra Google por prática anticompetitiva

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

30 de junho de 2019

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) do Brasil arquivou uma denúncia de prática anticompetitiva contra o Google. A companhia de tecnologia havia sido acusada de copiar conteúdo de concorrentes para utilizar nos resultados de seu mecanismo de busca. O órgão brasileiro antitruste não deu andamento à ação por não conseguir comprovar a denúncia.

O Google é a empresa responsável pelo mais popular mecanismo de busca na internet, de mesmo nome, além de controlar outros importantes serviços, como a plataforma de vídeo YouTube, o sistema operacional Android e o navegador Chrome. Todos esses são líderes de mercado em seus segmentos, inclusive no Brasil.

Na denúncia, a empresa E-commerce Media Group Informação e Tecnologia, que controla os sites de comércio eletrônico Buscapé e Bondfaro, acusava o Google de copiar suas informações de avaliações de produtos e exibir como conteúdo próprio nos resultados do seu serviço de venda de produtos online, o Google Shopping.

O Cade analisou resultados exibidos entre 2011 e 2016 e informou não ter encontrado materialidade da prática de exibição de conteúdo não autorizado apontado pela empresa denunciante.

Por meio de nota, o Google informou que recebeu com satisfação a decisão pelo arquivamento do caso. “Estamos confiantes de que nossos produtos e serviços estão em conformidade com as leis brasileiras e continuaremos colaborando com o órgão”.

Nova investigação

Apesar de recusar a acusação, o tribunal do Cade solicitou à superintendência uma investigação sobre abuso de poder econômico do Google no mercado de buscadores, bem como no mercado de notícias, onde um dos conselheiros apontou indícios de prática anticompetitiva.

Segundo a consultoria Statista, no Brasil o Google controla 97,5% do mercado de busca. Em seguida vêm Bing (1,1%) e Yahoo! Search (1,16%).

Notícia Relacionada

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati