Bloqueio da Wikimedia pela China entra na décima semana

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Flag of the People's Republic of China.svg

11 de janeiro de 2006

O bloqueio da Wikimedia feito pelo governo da República Popular da China entra em sua décima semana. O projecto Wikimedia inclui o Wikinews e outros websites populares como a Wikipédia.

O bloqueio começou em 19 de outubro, o terceiro feito até agora pela China, o que desagradou alguns estudantes e pesquisadores que alegam que a medida está a ter um impacto negativo na condução de suas pesquisas e na preparação para os exames escolares.

Há pouca informação para se dizer se o bloqueio é temporário ou permanente. Da mesma forma como aconteceu em bloqueios anteriores feitos na China, as agências de notícias do governo não comentaram o caso.

A Wikimedia já foi bloqueada duas vezes antes. Os usuários da Wikipédia especulam que os dois bloqueiros, feitos em 2004, foram por causa de assuntos banidos pelo governo, como a Independência de Taiwan e o Protesto na Praça Tiananmem em 1989.

Muitos internautas na China estão usando servidores proxy entre outros artifícios para contornar o bloqueio. Não há esperança de que ele acabe logo. Nas duas vezes anteriores, as semanas foram passando e a censura se estendeu por meses.

Em 21 de outubro, um importante administrador da Wikipédia chinesa disse: "Se nada der errado, o bloqueio deve terminar dentro de uma semana." No dia 24, declarou: "O bloqueiro terminará quarta-feira [26 de outubro]. Segundo o procedimento (cujos detalhes não são conhecidos), depois que a apelação é submetida, uma resposta deve vir dentro de 3 dias, e a minha apelação já foi submetida na sexta-feira. O meu provedor de acesso disse que ainda não encontrou um caso em que uma apelação tivesse falhado. Estas são boas notícias, de qualquer maneira ainda é impossível saber as razões para o bloqueio." Contudo, desde então, ainda não veio nenhuma resposta por parte do governo.

Durante o primeiro bloqueio ocorrido em 2004, os usuários do projeto enviaram petições para seus provedores de acesso, os quais, se acreditava, poderiam ajudar na restauração do acesso. O segundo bloqueio aconteceu pouco tempo depois, no mesmo ano, mas foi curto e durou apenas quatro dias.

O Governo da China tem uma ativa política para bloquear websites que eles consideram prejudiciais. Entre os websites que já foram bloqueados estão os de agências de notícias estrangeiras (BBC News, por exemplo), aqueles que falam sobre a independência do Tibet, Falun Gong e os websites que são hospedados em Taiwan.

Fontes