Blinken condena atrocidades no 33º aniversário dos protestos pró-democracia de Tiananmen

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

4 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O secretário de Estado americano, Antony Blinken disse no 33º aniversário dos protestos pró-democracia em Tiananmen, na China, que condena as atrocidades do governo chinês e as violações dos direitos humanos e apoia os esforços das vítimas para promover a democracia.

“Comemoramos o 33º aniversário do Massacre da Praça Tiananmen em Pequim, onde dezenas de milhares de manifestantes pró-democracia se uniram pacificamente para gritar por democracia, responsabilidade, liberdade e estado de direito”, disse Blinken em comunicado divulgado no dia anterior.

“Os esforços dessas pessoas corajosas não serão esquecidos”, disse ele.

“Continuaremos a levantar nossas vozes e promover a responsabilização pelas atrocidades e violações dos direitos humanos cometidas pelas autoridades chinesas em Hong Kong, Xinjiang e Tibete”, disse ele.

O Protesto pela Democratização de Tiananmen foi um incidente no qual o governo chinês usou a força para reprimir estudantes universitários e cidadãos que exigiam democratização na Praça Tiananmen em Pequim em 4 de junho de 1989. Discussões e atos comemorativos são estritamente proibidos.

Em sua terceira resolução histórica adotada no ano passado, o PCC descreveu os protestos pró-democracia de Tiananmen como uma “tempestade política”, e a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse em um briefing regular no dia 2: “O governo chinês já deixou claro sobre a tempestade política que ocorreu no final da década de 1980. Cheguei a uma conclusão”, disse.

Enquanto isso, as autoridades de Hong Kong começaram a bloquear os protestos no dia 4, mobilizando muitos policiais em locais importantes do centro da cidade, para impedir as manifestações comemorativas do 33º aniversário dos protestos de Tiananmen.

Fontes