Benguela: jornalista acusado de difamação volta a ser interrogado

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

4 de novembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O jornalista angolano Francisco Rasgado regressa à Procuradoria-geral da República (PGR) nesta quarta-feira, 04, para o segundo interrogatório de um processo crime movido pelo governador de Benguela, Rui Falcão, e pelo empresário Carlos Cardoso, que vêem calúnia e difamação nas matérias sobre a apreensão da brigada mecanizada de construção civil.

Camiões-cisternas, cilindros e pás carregadoras estiveram à guarda da procuradoria após a apreensão, alguns no Bié, no seguimento de uma investigação relativa a suspeitas de peculato e tráfico de influência na adjudicação de um contrato à CCJ, empresa de Cardoso.

Os meios foram devolvidos à empresa para “evitar deterioração”, conforme alega a PGR, que alerta, no entanto, para a continuidade do processo-crime.

O diretor do jornal Chela Press, ouvido já pelo sub-procurador titular de Benguela e da Comarca, diz não acreditar que vá a julgamento por ter “denunciado desvios de bens públicos”.

“Estou tranquilo, tudo é feito com base em provas, contra fatos não há argumentos”, disse Rasgado. “Gostava de saber se denunciar um roubo ou tentativa de bens do Estado é injúria”, acrescentou o jornalista.

Sem qualquer reação do governador provincial, a Voz da América procurou um pronunciamento do empresário Carlos Cardoso, que não se quis pronunciar alegando segredo de jutiça mas confirmou que há um único processo.

Cardoso, como foi noticiado, recebeu já as onze máquinas, mas a PGR refere que o expediente criminal sobre peculato e tráfico de influência, envolvendo igualmente membros do Governo Provincial, continua a decorrer.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit