Banco Mundial: Guiné-Bissau presa numa armadilha

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

14 de dezembro de 2011

Guiné-Bissau — O Banco Mundial diz que a Guiné-Bissau está presa numa armadilha de baixo equilíbrio motivada pela instabilidade política e má governação.

Num relatório divulgado quarta-feira, em Bissau, escreve-se que “a instabilidade política tem prejudicado a lei e a ordem e enfraquecido a capacidade de governos sucessivos em prestar serviços públicos essenciais e garantir a infraestrutura económica de base”,

De acordo com o documento, de cerca de 200 páginas, citado pela agência LUSA, a instabilidade política tem impedido o investimento privado o que se traduz na impossibilidade de o governo guineense normalizar a situação do país, por falta de recursos que poderia ir buscar aos impostos desse mesmo setor privado.

“Na área fiscal, por exemplo, o baixo crescimento traduziu-se na falta de dinamismo das receitas do Estado, e limitou as perspetivas de oportunidades fora do setor público para o pessoal militar e civil, tornando necessária a contenção de gastos de pessoal, uma opção politicamente difícil”, refere o documento.

Esta situação realça o Banco Mundial, acaba por conduzir a uma insatisfação permanente dos funcionários públicos e dos militares bem como do próprio setor privado.

“É pouco provável que a saída dessa armadilha de equilíbrio-baixo ocorra com rapidez apenas a partir da dinâmica interna do país”, nota o documento, realçando, porém, que em caso de estabilidade política o país possui condições objetivas para dar um salto qualitativo em poucos anos.

O Banco Mundial aponta cinco pilares sobre os quais a Guiné-Bissau se deve basear-se para dar o salto. Assim, o país deve criar infraestruturas de apoio ao desenvolvimento, promover um crescimento mais rápido do setor agrícola, assentar as bases de um crescimento sustentado nos seus principais recursos naturais, melhorar o ambiente de negócios e promover a transparência e a eficiência do setor público.

A “Guiné-Bissau, ao contrário dos seus países vizinhos, ainda possui uma base rica, relativamente intacta, de recursos naturais. Esta base de recursos e a biodiversidade associada a estes representam um ativo considerável para a economia do país,” conclui o relatório.

Fontes[editar]


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati