BES vai "agir em conformidade" contra decisão dos accionistas do BESA

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

Economia e negócios

30 de outubro de 2014

O Banco Espírito Santo (BES), em Portugal, considerou “inválidas e eficazes” as decisões tomadas ontem em assembleia geral extraordinária dos accionistas do Banco Espírito Santo Angola (BESA) e que irá tomar medidas para “agir em conformidade”.

Na Assembleia Geral realizada em Luanda (capital de Angola), ficou decidido que o BESA vai passar a assumir a denominação de Banco Económico SA e chamaram os novos accionistas, entre eles o grupo público angolano Sonangol e o português Novo Banco. De acordo com a instituição liderada por Luís Máximo dos Santos, a representante do BES foi impedida de participar na reunião, sob o pretexto de se ter atrasado.

Num comunicado enviado à imprensa, o BES disse que a sua representante foi impedida de participar na assembleia geral devido “à manifesta preterição das formalidades legais e estatuárias necessárias. O banco português explica que “para que a assembleia pudesse reunir e deliberar sobre qualquer assunto, seria necessário que todos os accionistas do BESA estivessem presentes na reunião e, ainda, que aceitassem deliberar sobre os pontos da ordem de trabalhos, o que não sucedeu.

Sucede que, face à manifesta preterição das formalidades legais e estatuárias necessárias para que a assembleia pudesse reunir e deliberar sobre qualquer assunto, seria necessário que todos os acionistas do BESA estivessem presentes na reunião e, ainda, que aceitassem deliberar sobre os pontos da ordem de trabalhos, o que não sucedeu
Documento

O documento refere ainda que a assembleia geral foi adiada um dia e "muito embora tenham sido solicitados, não foram fornecidos quaisquer documentos ou propostas sobre os pontos em discussão".

O BES refere ainda que a assembleia geral foi adiada um dia e "muito embora tenham sido solicitados, não foram fornecidos quaisquer documentos ou propostas sobre os pontos em discussão".

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati