Autoridades do Camboja serão julgadas por ataque com granada em 1997

25 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Um juiz francês ordenou que dois ex-guarda-costas do primeiro-ministro do Camboja, Hun Sen, sejam julgados por seu papel em um ataque sangrento com granada há 25 anos em Phnom Penh.

Dezesseis pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas pela greve em um protesto pacífico.

A juíza Sabine Kheris, do Tribunal de Apelação de Paris, decidiu que Huy Piseth e Hing Bun Heang, ex-chefe e vice-chefe da unidade de guarda-costas de Hun Sen, respectivamente, serão indiciados com base na conclusão unânime de uma investigação conjunta do Federal Bureau of Investigation (FBI), as Nações Unidas e a Human Rights Watch (HRW), de acordo com uma tradução do documento judicial recebido.

Nenhum dos dois está sob custódia. Huy Piseth é agora secretário de Estado da Defesa e Hing Bun Heang é vice-comandante-chefe do exército. Huy Piseth se recusou a comentar a ordem do juiz. Hing Bun Heang chamou a decisão de violação de seus direitos e negou que estivesse no protesto onde ocorreu o ataque.

“Emitir uma acusação à vontade como essa prejudicaria as pessoas”, disse Hing Bun Heang. “Fazer tais acusações sem motivo é confuso.”

O tribunal deve realizar um julgamento no próximo ano com ou sem a presença dos réus, mas nenhuma data foi definida.

Apresentado pela oposição política

O caso foi aberto em novembro de 2000 por Sam Rainsy, um cidadão franco-cambojano que, como presidente do Partido de Resgate Nacional do Camboja (CNRP), é o líder de fato da oposição política nacional do Camboja.

Os dois ex-guarda-costas, agora ambos generais do exército cambojano, enfrentam acusações de conspiração para cometer assassinato no ataque de 1997.

Rainsy disse que a decisão do tribunal, apresentada em 30 de dezembro de 2021, marca o “fim da impunidade” para os ricos e poderosos em um país onde normalmente são intocáveis.

“Este é um grande desenvolvimento”, disse Rainsy em uma entrevista no final de fevereiro. “A cultura da impunidade chegou ao fim. Os cambojanos sofrem há décadas por causa dessa impunidade.”

Eram 8h30 de um domingo tranquilo em 30 de março de 1997, quando mais de 200 manifestantes pacíficos liderados por Rainsy, então presidente do Partido da Nação Khmer, se reuniram em frente à Assembleia Nacional em Phnom Penh para exigir a reforma judicial. Minutos depois, quatro granadas foram lançadas no protesto, segundo testemunhas.

“Eles fizeram um atentado contra minha vida, mas falharam e mataram pelo menos 16 pessoas e feriram mais de 100 pessoas”, disse Rainsy. “Portanto, o tribunal francês [teve que trabalhar] para encontrar justiça para mim.”

Brad Adams, então oficial de direitos humanos da ONU no Camboja, chegou ao local apenas 10 minutos após as explosões.

“Havia corpos espalhados por toda parte, o que era terrível”, disse Adams, agora diretor para a Ásia da Human Rights Watch, em uma entrevista em 21 de março. “E a polícia estava parada lá sem fazer nada. Eles não iriam ajudar ninguém. Eu gritei com eles: ‘Vocês precisam fazer alguma coisa.’“

Fontes