Autoridades de Uganda cobram 15 por atentados em Kampala

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

24 de dezembro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O diretor do Ministério Público de Uganda acusou 15 suspeitos de terrorismo em conexão com os atentados de novembro reivindicados pelo grupo terrorista Estado Islâmico.

Os 15 suspeitos compareceram quarta-feira perante um tribunal de magistrados onde as acusações foram lidas para eles.

As acusações estão relacionadas com bombardeios e outras atividades terroristas nas áreas de Mpigi, Wakiso e Kampala, nas quais quatro pessoas foram mortas.

O grupo terrorista Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade pelos ataques, mas as autoridades acreditam que foram realizados por um grupo rebelde ugandês, as Forças Democráticas Aliadas.

Jacquelyn Okui é a porta-voz do diretor de acusação pública de Uganda.

“O diretor do Ministério Público acusou 15 suspeitos de três acusações de terrorismo, duas acusações de ajudar e cumplicidade no terrorismo e uma acusação de pertencer a uma organização terrorista”, disse Okui.

Os suspeitos, todos cidadãos de Uganda, incluem cinco mulheres.

Okui diz que o caso ainda está sendo investigado e, após a conclusão, a polícia reenviará os autos ao escritório do DPP com o objetivo de colocar os suspeitos em julgamento.

Durante os ataques para desmantelar as células ADF no país da África Oriental após os atentados suicidas de novembro, a polícia de Uganda disse que matou cinco suspeitos de terrorismo e prendeu mais de 20 suspeitos de serem membros da ADF.

As forças do exército de Uganda e da República Democrática do Congo também lançaram ataques aéreos e enviaram tropas ao distrito de Beni, no Congo, para caçar caças da ADF.

As forças conjuntas relataram capturar 35 combatentes da ADF e destruir algumas das fortalezas da força rebelde no leste da RDC.

A ADF foi culpada por milhares de assassinatos na RDC e Uganda nas últimas duas décadas.

Fontes