Austrália alertou que casos de demência dobrarão em 40 anos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

20 de setembro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Dentro de 40 anos, mais de 800.000 australianos — o dobro de agora — viverão com demência, a menos que uma cura seja encontrada, de acordo com um novo relatório patrocinado pelo governo. A demência é a segunda causa de morte na Austrália.

Um novo estudo do Instituto Australiano de Saúde e Bem-Estar, uma agência governamental, prevê que 1,1 milhão de australianos viverão com demência até 2058, a menos que novos tratamentos importantes sejam descobertos.

“Demência” é um termo amplo para uma série de condições que prejudicam as funções do cérebro.

Em 2019, US$ 2,1 bilhões foram gastos na Austrália em serviços residenciais e comunitários e em cuidados hospitalares para pacientes com demência, dois terços dos quais são mulheres.

Maree McCabe diz que exercícios e uma dieta adequada podem oferecer proteção contra vários tipos de demência.

“O principal tipo é a doença de Alzheimer, mas existem cerca de 100 tipos diferentes e cerca de 60% das pessoas com demência têm a doença de Alzheimer. Mas existem tipos como demência frontotemporal, demência com corpos musculosos, demência vascular, só para citar alguns. Podemos definitivamente reduzir nosso risco de desenvolver demência, garantindo que comemos bem, que exercitamos nosso corpo e nosso cérebro”, disse McCabe.

A Organização Mundial da Saúde disse que existem atualmente mais de 55 milhões de pessoas vivendo com demência em todo o mundo.

Quase 10 milhões de novos casos são diagnosticados a cada ano. Cerca de um quarto deles são detectados na China, o país mais populoso do mundo.

Estima-se que 10 milhões de pessoas sofrem atualmente de distúrbio cerebral degenerativo na China. Conforme sua população envelhece, esse número deve aumentar para 40 milhões até 2050, de acordo com um estudo de Londres.

O estudo alertou que os custos econômicos anuais da demência para a China podem chegar a US$ 1 trilhão em despesas médicas e perda de produtividade à medida que os cuidadores deixam a força de trabalho.

Grupos de apoio à demência alertam que, em todo o mundo, tanto pacientes quanto cuidadores enfrentam discriminação por causa da falta de compreensão sobre a doença que atualmente não tem cura.

Fontes


Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit