Austrália: menina de 4 anos que desapareceu em acampamento é encontrada na casa de sequestrador

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

3 de novembro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O caso do desaparecimento da pequena Cleo Smith, de apenas 4 anos, que atraiu e reteve a atenção dos australianos nas duas últimas semanas, foi resolvido hoje, quando uma equipe de policiais encontrou a menina num quarto "escuro como breu", segundo o portal Crime Online, na casa de um homem na cidade de Carnarvon, Austrália Ocidental. A casa onde Cleo, que está bem, foi encontrada, ficava a apenas 6 minutos de carro de sua residência.

A menina havia desaparecido no dia 16 passado, de dentro de um dos quartos da barraca onde dormia com os pais no acampamento Quobba Blowholes, em Macleod. Segundo a mãe de Cleo, por volta das 1h30 da madrugada ela levantou-se e levou a menina ao banheiro, tendo ambas voltado depois para a barraca. No entanto, quando os pais acordaram às 6h da manhã, não a encontraram mais. Eles comunicaram a polícia pouco depois.

“Uma força-tarefa de 100 oficiais foi enviada da capital do Estado, Perth, para se juntar a uma grande busca aérea, terrestre e marítima. Aviões de reconhecimento foram usados ​​para vasculhar áreas escassamente povoadas”, relata a BBC.

Para a rádio KIIS1065 o comissário de polícia Chris Dawson Dawson relatou que os investigadores receberam a pista final ontem à noite, sobre um "carro suspeito". Os policiais já seguiam esta linha de investigação, sobre um veículo que havia deixado o acampamento no horário em que a menina desapareceu.

O detetive superintendente Rod Wilde, que liderou a equipe policial, disse que receber a pista que levou à localização da menina foi como “encontrar uma agulha num palheiro”, após os policiais terem passados vários dias analisado todas as informações que tinham anteriormente.

O suspeito de sequestro tem 36 anos e foi levado para depor após ser atendido num hospital devido a ferimentos na cabeça.

Fontes


Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit