Ativistas uigures temem que Ancara esteja se curvando à pressão de Pequim

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

25 de agosto de 2020

Agência VOA

Ativistas uigures na Turquia dizem que enfrentam pressão crescente das autoridades turcas, alimentando temores de que Ancara esteja começando a se curvar ao lobby chinês.

Dezenas de milhares de uigures buscaram refúgio na Turquia de uma ofensiva contínua das autoridades chinesas contra a minoria muçulmana.

Centenas de milhares de uigures estão atualmente detidos em campos de detenção, que Pequim chama de centros de reeducação.

A Turquia é uma base importante para os uigures que fazem campanha contra a repressão da China, mas os ativistas temem que Ancara esteja tentando conter esses protestos.

"Em solo turco, você não pode levantar uma voz contra a China", disse um pequeno grupo de uigures em um protesto no início deste mês.

A polícia deteve os manifestantes por vestirem camisetas com fotos de familiares internados pelas autoridades chinesas.

Mirzehmet Ilyasoglu, um dos organizadores do protesto, explicou que só foram soltos depois de receberem ordem da polícia para virar as camisetas do avesso.

"Forçar-nos a usar essas camisetas do avesso insultou não apenas nossa honra, mas também nossas mães e irmãos", disse Ilyasoglu, que falou em um centro comunitário uigur de Istambul.

Outros uigures carregavam fotos de parentes em poder das autoridades chinesas.

Até o ano passado, grandes protestos uigures contra a China aconteciam com frequência na Turquia. Em dezembro, milhares apoiados por turcos locais protestaram em Istambul contra Pequim.

A situação dos uigures na China ressoa fortemente entre os turcos religiosos e nacionalistas que constituem importantes constituintes eleitorais do presidente Recep Tayyip Erdogan.

Mas esses protestos estão se tornando cada vez mais raros, com ativistas uigures reclamando que as autoridades turcas agora os têm como alvo.

"A polícia me deteve em um restaurante e me levou para a delegacia de Sefakoy (distrito de Istambul)", disse o poeta uigur Abdurehim İmin Parach. “Eles me entregaram um documento e me pediram para assiná-lo. Dizia: 'Esta pessoa é filiada a organizações que são uma ameaça à Turquia'. Eu disse: 'Não tenho nada a ver com esses grupos e não vou assiná-lo.' "

Parach disse que foi a segunda vez neste ano que a polícia o deteve. Ele acredita que isso faz parte de uma política mais ampla.

"Isso aconteceu com outros 20 uigures que conheço", disse ele.

Parach fugiu para Istambul há sete anos. Depois de deixar a China, sua esposa foi colocada em um campo de detenção chinês.

As autoridades turcas detiveram alguns uigures por ligações com o Estado Islâmico. Mas grupos de direitos humanos alegam que as recentes detenções de uigures são mais para apaziguar a China.

"Pessoas são detidas sob a acusação de combatentes terroristas estrangeiros, embora não haja provas", disse o advogado Ibrahim Ergin, da Associação Internacional pelos Direitos dos Refugiados, com sede em Istambul.

Ergin está atualmente lutando contra várias tentativas de extradição chinesa de proeminentes ativistas uigures.

“Sabemos que a China está pressionando muito o Ministério do Interior e das Relações Exteriores e as forças de segurança”, explicou Ergin.

Ele acrescentou: "Durante nossa comunicação com essas autoridades, somos informados de que a deportação de cinco a dez uigures tornaria a Turquia mais confortável econômica e politicamente".

Ergin disse que, dado o apoio público turco aos uigures, é improvável que algum seja deportado para a China.

"Se o estado mandar qualquer uigur de volta, isso colocará o governo em sérios problemas. Eles serão gravemente prejudicados politicamente", disse ele.

Este ano, o Governo do Turquistão Oriental no Exílio, com sede em Washington, apresentou recentemente uma queixa contra a China no Tribunal Penal Internacional contra a China, que incluía as alegações de que um Uigur exilado na Turquia foi extraditado para o Tajiquistão e depois enviado para a China.

Os oponentes de Erdogan aproveitaram a acusação.

"Há relatos na mídia de que a Turquia está realizando esforços para enviar 50.000 de nossos irmãos e irmãs uigur para o Tajiquistão e de lá para a China", disse o ex-primeiro-ministro Ahmet Davutoglu, em um discurso para seu recém-formado Partido do Futuro.

Ancara rejeitou as alegações de extradições secretas e pressão sobre ativistas uigures.

"A posição da Turquia é perfeitamente clara. Dezenas de milhares de uigures vivem pacificamente na Turquia. Milhares têm cidadania turca. Ações falam mais alto do que palavras", disse um alto funcionário turco, falando sob condição de anonimato.

Mas Erdogan, que muitas vezes se apresenta como um defensor dos muçulmanos discriminados em todo o mundo, não conseguiu se juntar ao coro de condenação internacional por causa dos relatórios recentes sobre a repressão da China aos uigures.

Alguns observadores sugerem que Erdogan está realizando um delicado ato de equilíbrio diplomático de buscar não alienar a China, um parceiro comercial vital, ao mesmo tempo que fornece refúgio aos uigures, uma exigência fundamental de sua base eleitoral.

Mas para Parach, que não tem notícias de sua família há anos, o silêncio de Erdogan só aumenta a inquietação.

"As autoridades têm se mantido em silêncio. Por causa desse silêncio, estou com medo. Não posso falar sobre meu futuro. Se eu falar, vou me perturbar com pensamentos ruins, porque meu futuro está em uma escuridão desconhecida", disse Parach.

Fonte


Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com