As FARC sinalizam que podem não aceitar proposta de intercâmbio humanitário

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
LocationColombia.png

2 de janeiro de 2006

Bogotá, Colômbia

Num comunicado datado de quinta-feira (29), as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) deram sinais de que podem não aceitar o acordo humanitário para libertação de reféns. As FARC afirmaram que "o principal obstáculo para o acordo humanitário é a ausência de vontade política no atual Presidente da Colômbia".

"Entendemos que (Uribe) em seu afã de explorar eleitoralmente uma iniciativa dos países facilitadores do acordo de troca, que ainda não conhecemos, lançou ao despenhadeiro todo um esforço diplomático. Ao mesmo tempo em que lamentamos esta atitude precipitada e passageira do Presidente, reconhecemos os bons esforços dos governos da França, Suíça e Espanha", disseram os rebeldes comunistas.

"Levamos anos procurando um acordo humanitário de troca para que os cativos em poder de cada uma das partes saiam das prisões e das montanhas e se reencontrem com os seus. Mas nem em Pastrana, nem em Uribe encontramos reciprocidade", acrescentaram.

Em meados de dezembro, a administração Uribe aceitou uma proposta de negociação com as FARC intermediada por países europeus e que previa a desmilitarização do Casario El Retiro, pertencente ao município de Pradera, no departamento do Valle del Cauca, na parte ocidental do país. Duas semanas depois, ao mesmo tempo em que era noticiada a morte de 28 militares em Vistahermosa, Meta, pelo insurgentes, o noticiário televisivo informava que a França, Espanha e a Suíça tinham autorizado seus representantes diplomáticos na Colômbia a negociar a proposta com os líderes das FARC.

63 políticos, policias e militares foram seqüestrados pelas FARC, alguns há cerca de 8 anos. Entre os seqüestrados se encontra a ex-candidata presidencial Íngrid Betancourt, um ex-ministro, um ex-governador e três cidadãos estadounidenses. O intercâmbio humanitário consiste na libertação destes seqüestrados em troca da libertação de vários guerrilheiros das prisões colombianas.

Ver também

Fontes

As categorias deste artigo foram atualizadas em 24 de agosto de 2006. Para maiores informações veja o histórico.