Arizona, Flórida e Illinois realizam primárias presidenciais de 2020; Ohio adia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

18 de março de 2020

Joe Biden
Joe Biden em 2020, durante sua campanha para presidência dos Estados Unidos


Na terça-feira, o Partido Democrata realizou eleições primárias nos estados do Arizona, Flórida e Illinois. Segundo relatos, o ex-vice-presidente dos Estados Unidos Joe Biden venceu todas as três. Ohio, que também estava programada para realizar sua eleição primária, adiou a votação diante da emergência nacional em torno da propagação do COVID-19.

No mesmo dia, o presidente em exercício dos Estados Unidos, Donald Trump, tornou-se o candidato presumido do Partido Republicano para a eleição presidencial em 2020, depois de vencer as primárias do partido na Flórida e Illinois. Ambos partidos usam eleições primárias, juntamente com caucuses, para selecionar seus candidatos para a eleição presidencial. Para um candidato vencer a indicação do Partido Democrata, é necessário um total de pelo menos 1.991 delegados. As três eleições primárias realizadas pelo partido representaram um total de 441 delegados.

As vitórias de Biden no Arizona, Flórida e Illinois o deixaram com um total de 1.124 delegados prometidos. O senador de Vermont Bernie Sanders o seguiu com um total de 815. Na eleição presidencial de 2016, Sanders também perdeu em todos esses três estados para Hillary Clinton. O Partido Democrata premia os delegados proporcionalmente à forma como os candidatos se saem; os candidatos devem receber pelo menos 15% dos votos para serem elegíveis para receber delegados de um estado, território ou distrito.

No lado republicano, 1.276 delegados são necessários para garantir a indicação. Depois de vencer as primárias do Partido Republicano na Flórida e Illinois na terça-feira, Trump supostamente reuniu 1.330 delegados, mais do que o número necessário, tornando-o o candidato presumido do partido.

Durante esse período em que enfrentamos uma crise na saúde pública sem precedentes, a realização de uma eleição amanhã obrigaria os trabalhadores e eleitores a se colocarem em risco inaceitável de contrair coronavírus.

Mike DeWine

Em Ohio, que planejava realizar sua eleição primária na terça-feira, o governador Mike DeWine a adiou, citando a crise na saúde. Ele fez o anúncio através do seu Twitter. A decisão de DeWine ocorre alguns dias depois que o presidente Trump declarou emergência nacional em resposta ao surto de coronavírus em andamento. A Organização Mundial da Saúde classificou o surto da doença como uma pandemia.

Na terça-feira, Ohio era um dos seis estados que haviam decidido adiar as eleições. Maryland remarcou a maioria de suas eleições primárias para 2 de junho; eles foram planejados originalmente para 28 de abril. Não alterou a data de sua eleição especial para ocupar a vaga na Câmara dos Deputados dos Estados Unidos anteriormente ocupada por Elijah Cummings, mas está mudando apenas para votação por correspondência. Cummings morreu em outubro aos 68 anos.

O Comitê Nacional Democrata instou os Estados a não reagendar suas eleições, mas a usar a votação por correspondência. O apoio à votação por correspondência também veio do senador de Minnesota Amy Klobuchar. Na segunda-feira, Klobuchar, juntamente com o senador Ron Wyden, de Oregon, apresentou um projeto de lei para exigir votação por correio em todos os estados como medida de emergência. Klobuchar foi candidata a presidência em 2020, mas encerrou sua campanha.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com