Argentina e o G77+China impulsionam a regulação das dívidas soberanas contra os fundos abutres

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


10 de setembro de 2014

Nova York - Sob proposta da Argentina e do G77+China para gerar um quadro jurídico global em UN processos de reestruturação da dívida soberana, o grupo G77 alcançou uma pontuação de todos os países do mundo 124 votos positivos do proposta, 41 abstenções e 11 países contra. A presidenta da Argentina, Cristina Fernandez de Kirchner disse que o resultado foi "a favor da dignidade dos povos".

Em uma declaração à imprensa feita nas Nações Unidas, o chanceler argentino, Hector Timerman e o presidente do G77 Sacha Llorenty Soliz declarou sua posição e impulso para um quadro jurídico global para pagamentos da dívida soberana de cada país. E que impede que uma pequena porcentagem de detentores de debêntures ou fundos abutre potenciais comprometer possível reestruturação da dívida alcançado por cada país.

É uma prioridade a criação de um quadro legal, a fim de aumentar a eficiência, estabilidade e previsibilidade do sistema financeiro internacional, e alcançar um crescimento equitativo e inclusivo, [...] adotar e desenvolver, por meio de um processo de negociações intergovernamentais e prioridade, [...] um quadro jurídico multilateral para a reestruturação da dívida soberana, a fim de, entre outras coisas, aumentar a eficiência, estabilidade e previsibilidade do sistema financeiro internacional.

Presidente do G77 Sacha Llorenty Soliz.

Os países que votaram contra foram os Estados Unidos, Japão, Alemanha, Inglaterra, Canadá, Israel, Austrália, Finlândia, Hungria, Irlanda e República Checa. Enquanto ele parecia ter se abstiveram países europeus, como Itália e França, e no México como representante da América Latina. Ministro dos Negócios Estrangeiros Timerman e do presidente do G77 Llorenty atender a esses países tentarão acordar posições.

Durante a votação, não houve escassez de backups para a Argentina com sua luta com fundos abutres, por exemplo, a Islândia afirmou que "o fracasso em resolver os problemas da dívida dos países" e "gama de bugs existentes" que tem "grande reestruturações importância não vêem dificultado por fundos abutre". O representante chinês afirmou que "partilha as preocupações expressas pela Argentina, apoiamos a votação, porque é um dos principais obstáculos enfrentados pelos países em desenvolvimento". Países da Unasul apoiaram fortemente ao votar em favor da Argentina.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati


Categoría:ONU Categoría:Cristina Fernández de Kirchner Categoría:Frente para la Victoria