Angola coloca mensalmente na economia 600 milhões de dólares da indústria petrolífera

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

Governador do BNA diz que país continua totalmente dependente do petróleo para conseguir divisas

8 de novembro de 2018

O Governo angolano aufere mensalmente da indústria petrolífera um total de entre 550 e 600 milhões de dólares para colocar na economia, disse em Malanje o director do Banco Nacional de Angola (BNA).

Num encontro com empresários locais, José de Lima Massano disse que “por mês a receita de origem petrolífera ronda os 300/350 milhões de dólares”.

Entretanto, os operadores petrolíferos têm despesas locais e para suportar essas despesas “vendem ao Banco Nacional de Angola também recursos cambiais que são cerca de 250 milhões de dólares”.

“Então estamos a falar, grosso modo, de entre 550 e 600 milhões de dólares por mês, aquilo que temos disponível para colocar na economia”, Masano que sublinhou que o país continua quase que totalmente dependente do petróleo para adquirir moeda estrangeira.

O petróleo, disse José de Lima Massano, “constitui ainda 95% da nossa receita cambial”.

No seu encontro com os empresários de Malanje, o governador do BNA revelou que a inflação em Angola deverá descer para 18% até ao final do ano, número que considerou “ainda alto”.

Isto apesar desse número, a verificar-se, ser bastante menor que os 26% registados actualmente.

Por outro lado, Massano revelou que o empresariado privado e o próprio Estado angolano são os principais devedores da banca comercial que se furtam do cumprimento das suas obrigações.

“Nós neste momento temos o crédito em situação irregular na ordem dos 26% (e isso) é uma taxa muito alta", afirmou acrescentando que "por maior que seja a vontade, se nós não conseguirmos tomar medidas para aliviar esse quadro, dificilmente teremos o crédito a fluir como tivemos há quatro ou cinco anos".

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati