Angola: Governo continua a contrariar manifestações

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

24 de agosto de 2009

Luanda, Brasil


As autoridades angolanas continuam a colocar impedimentos à realização das manifestações populares contra as demolições que são levadas a cabo um pouco por todo o país.

A primeira dificuldade foi colocada pela Administração provincial quando na semana passada decidiu transferir para local diferente do inicialmente previsto pelos organizadores que o haviam remetido a sua comunicação com 15 dias de antecedência.

Desta vez foi o tribunal provincial de Luanda que não se pronunciou sobre o processo a si remetido, no recurso que os organizadores fizeram.

Mesmo que transitado para a esfera do judicial, na semana passada o Vice-Governador Bento Soito entrevistado pelo nosso correspondente Alexandre Neto, mostrava-se seguro quanto a não re-autorização do evento.

O advogado David Mendes confirmou a suspensão que vem assim na sequência do silêncio da parte do tribunal.

Apesar desta suspensão do movimento, o Advogado assegurou que a batalha judicial vai continuar, prevendo-se que o processo suba agora para o Supremo.

Lembramos que no final do mês de julho o governo decidiu arrasar milhares de casas nos bairros do Iraque e Bagdade aqui em Luanda, deixando ao relento mais de 15 mil pessoas segundo dados publicados pela SOS Habitat, uma organização que trabalha junto das comunidades na defesa do direito a terra e a habitação.

A manifestação previa mobilizar 20 mil pessoas segundo os seus promotores, numa iniciativa conjunta do AMC, Amplo Movimento do Cidadão e a Associação Mãos Livres.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati