Angola: Governo continua a contrariar manifestações

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

24 de agosto de 2009

Luanda, Brasil


As autoridades angolanas continuam a colocar impedimentos à realização das manifestações populares contra as demolições que são levadas a cabo um pouco por todo o país.

A primeira dificuldade foi colocada pela Administração provincial quando na semana passada decidiu transferir para local diferente do inicialmente previsto pelos organizadores que o haviam remetido a sua comunicação com 15 dias de antecedência.

Desta vez foi o tribunal provincial de Luanda que não se pronunciou sobre o processo a si remetido, no recurso que os organizadores fizeram.

Mesmo que transitado para a esfera do judicial, na semana passada o Vice-Governador Bento Soito entrevistado pelo nosso correspondente Alexandre Neto, mostrava-se seguro quanto a não re-autorização do evento.

O advogado David Mendes confirmou a suspensão que vem assim na sequência do silêncio da parte do tribunal.

Apesar desta suspensão do movimento, o Advogado assegurou que a batalha judicial vai continuar, prevendo-se que o processo suba agora para o Supremo.

Lembramos que no final do mês de julho o governo decidiu arrasar milhares de casas nos bairros do Iraque e Bagdade aqui em Luanda, deixando ao relento mais de 15 mil pessoas segundo dados publicados pela SOS Habitat, uma organização que trabalha junto das comunidades na defesa do direito a terra e a habitação.

A manifestação previa mobilizar 20 mil pessoas segundo os seus promotores, numa iniciativa conjunta do AMC, Amplo Movimento do Cidadão e a Associação Mãos Livres.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati