Alimentos e preços de combustível subindo em Mianmar após o golpe, adverte ONU

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

16 de março de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

As Nações Unidas estão alertando que os preços dos alimentos e dos combustíveis em Mianmar estão subindo continuamente devido à “atual agitação política” desencadeada pelo golpe militar do mês passado.

O braço de assistência alimentar do organismo mundial, Programa Alimentar Mundial (PMA), divulgou uma declaração na terça-feira que os preços do arroz subiram em todo o país em uma média de três por cento de meados de janeiro a meados de fevereiro. Mas o WFP diz que os preços dispararam entre 20% e 35% em alguns municípios do estado de Kachin, o estado mais ao norte de Mianmar.

A agência também diz que o preço de varejo do óleo de palma aumentou até 20 por cento desde o início de fevereiro.

O PMA disse que a agitação está tendo um impacto negativo nas cadeias de abastecimento e nos mercados.

“Esses sinais iniciais são preocupantes, especialmente para as pessoas mais vulneráveis ​​que já viviam refeição após refeição”, disse o Diretor do PMA em Mianmar, Stephen Anderson. “No topo da pandemia COVID-19, se essas tendências de preços continuarem, elas irão minar seriamente a capacidade dos mais pobres e vulneráveis ​​de colocar comida suficiente na mesa da família.”

Lei marcial estendida

A avaliação sombria ocorre no momento em que a junta estende a lei marcial em mais áreas da principal cidade de Yangon, em meio a relatos de mais manifestantes mortos pelas forças de segurança.

O grupo de defesa Associação de Assistência para Prisioneiros Políticos (AAPP), que tem monitorado a violência, disse que pelo menos 20 pessoas foram mortas na segunda-feira em tiroteios pelas forças de segurança.

O canal de notícias estatal MRTV anunciou que os distritos de North Dagon, South Dagon, Dagon Seikkan e North Okkalapa estavam sob lei marcial, após um fim de semana de protestos mortais.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit