Administração americana diz estar "preocupada" com situação da pandemia no Brasil

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Dr. Anthony Fauci,

24 de março de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

A Administração americana diz estar preocupada com a situação da Covid-19 no Brasil, um dia depois de o país ter ultrapassado a fasquia de três mil mortos num só dia.

O coordenador da equipa de emergência da Casa Branca contra a Covid-19, Andy Slavitt, revelou numa conferência de imprensa nesta quarta-feira, 24, manter conversas diárias com os colegas brasileiros sobre a situação no país.

"Nós estamos conversando com os nossos colegas brasileiros frequentemente, diariamente, sobre o que está acontecendo por lá. Eu não darei mais detalhes além de que nós estamos profundamente comprometidos com isso", revelou Slavitt.

Quem também manifestou a mesma preocupação foi o principal epidemiologista americano e conselheiro-chefe da equipe, Anthony Fauci, que prometeu encontrar formas de ajudar o Brasil.

"Nós estamos bastante preocupados com a difícil situação no Brasil, e nós vamos discutir de que forma podemos ajudar o Brasil", disse num encontro virtual.

Entre segunda e terça-feiras, foram registadas 3.158 mortes, aumentando o total de vítimas mortais para 298.843.

No sábado, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil anunciou estar em negociações com os Estados Unidos para receber o excedente das vacinas.

A nota foi divulgada numa rede social depois do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, ter anunciado o envio de uma carta à vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, pedindo que o Brasil seja autorizada a comprar doses de vacina contra a Covid-19 que estão estocadas no país mas que ainda não têm aval para uso interno, nomeadamente da farmacêutica AstraZeneca.

Notícias Relacionadas[editar]

Fontes[editar]

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit