A desinformação atrapalha o esforço de Uganda para vacinar refugiados

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

20 de maio de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Uganda, que acolhe cerca de 1,5 milhão de refugiados e requerentes de asilo, começou a vacinação contra o coronavírus esta semana nos campos e assentamentos. Mas a hesitação da vacina entre os refugiados representa um desafio.

As autoridades de Uganda receberam 964.000 doses da vacina contra o coronavírus e inocularam 453.000 pessoas até 16 de maio.

Agora, o governo está estendendo a vacinação COVID-19 aos refugiados, a maioria dos quais são do sul do Sudão.

No assentamento Bidibidi, a equipe de vacinação tem como alvo primeiro os idosos, com 50 anos ou mais.

Para levá-los ao posto, a equipe de saúde vai de porta em porta. Moses Lomoro, um membro da equipe de saúde da aldeia, diz que as interações cara a cara ajudaram a apagar muitos medos entre os idosos.

“Depois de tomar a vacina, algumas pessoas têm uma reação”, disse ele. “Alguém pode ter febre e vômitos. Então, esses rumores assustaram alguns membros da comunidade. E também, outras pessoas, têm acesso às redes sociais e dão informações falsas.”

Antes da vacinação, os profissionais de saúde realizam uma sessão de aconselhamento em que cada receptor lê e assina um formulário de consentimento.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit