AGOA: Guineenses desconhecem vantagens da legislação americana

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

15 de março de 2017

A lei americana que promove a exportação de produtos de países africanos para os Estados Unidos, AGOA, é uma oportunidade desconhecida pela maioria dos empresários na Guiné-Bissau.

Em consequência, conta-se um número reduzido dos operadores económicos da Guiné-Bissau que assume o mercado norte-americano como um espaço de oportunidade de negócio para os seus produtos.

"Já ouvi falar sobre esta lei, mas não tive oportunidade de ter este mercado aberto, onde o nosso produto deve ter uma aceitação porque temos produtos biológicos, sem produto químico e sem qualquer estrutura ou produto natural", diz António da Silva Monteiro, empresário agrícola, com uma larga experiência de exportação de frutas para o estrangeiro.

Um percurso que vem desde os anos 80.

Óleo de palma, mandioca, vinho de caju, manga e mel são os principais produtos de exportação do empresário guineense, de origem cabo-verdiana.

Portugal, Cabo Verde, Senegal, Gâmbia e Guiné-Conacri constituem, catualmente, os mercados de exportação da Ecofruta.

António da Silva Monteiro, vulgarmente conhecido por Tutu Silva, espera poder chegar ao mercado norte-americano, aproveitando a oportunidade de AGOA.

O especialista em comércio internacional, Midana Sambú, considera que as razões que estão na base de não aproveitarmos de AGOA por parte das empresas da Guiné-Bissau:

"Praticamente não temos aproveitado esta janela de oportunidade, não só pelo facto de conhecimento, mas também porque a nossa estrutura de produtiva nacional, tem produzido muito pouco", acrescenta,

O especialista aponta, todavia, os mecanismos que possam ajudar as empresas guineenses a ter acesso ao mercado dos Estados Unidos:

"Precisamos incentivar a produção interna e não deve ser só ponto de vista quantitativo, mas também qualitativo, que passe pelo respeito por um cadernos de encargos por parte destas empresas que pretendem exportar, ou seja instalação e manutenção do rigor no quadro de produção, primeiro, e segundo, manter ao nível do respeito das exigências impostas pelos Estados Unidos para que possamos aproveitar desta oportunidade", concluiu Sambú.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati