ACNUR pede mais apoio aos sobreviventes do terremoto na Turquia e Síria

Fonte: Wikinotícias

13 de março de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O alto comissário da ONU para refugiados, Filippo Grandi, disse que mais precisa ser feito para apoiar os sobreviventes na Turquia e na Síria após o devastador terremoto do mês passado, enquanto o número de mortos na tragédia continua subindo.

Grandi, que concluiu uma visita de cinco dias às áreas devastadas pelo terremoto, disse em um comunicado na segunda-feira: "As necessidades no terreno em ambos os países são enormes e a resposta deve ter mais recursos".

Ele disse que o foco precisa ser não apenas em projetos de reconstrução de longo prazo, mas em assistência imediata.

“Embora seja fundamental pensar e apoiar esforços de longo prazo, muito mais ajuda humanitária e recursos de recuperação precoce são necessários para que as pessoas possam começar a reconstruir suas vidas e meios de subsistência”, disse ele.

“O nível de destruição e devastação é chocante e, em muitos lugares, é apocalíptico”, acrescentou Grandi.

O ministro do Interior turco, Suleyman Soylu, disse na segunda-feira que o número de mortos na Turquia aumentou para 48.448.

Falando em uma coletiva de imprensa na província de Malatya, fortemente atingida, Soylu disse que o número de mortos na Turquia inclui 6.660 cidadãos estrangeiros, a maioria sírios. Ele também disse que as autoridades ainda estão tentando identificar 1.615 vítimas.

Na vizinha Síria, o terremoto matou mais de 6.000 pessoas.

Uma comissão da ONU na segunda-feira culpou o governo da Síria e a comunidade internacional por não agir rápido o suficiente para ajudar as pessoas necessitadas no noroeste da Síria controlado pelos rebeldes.

A Comissão Internacional Independente de Inquérito sobre a República Árabe da Síria disse que deveria haver uma investigação sobre por que demorou uma semana após o terremoto para o governo da Síria e as Nações Unidas concordarem em abrir mais passagens de fronteira para que a ajuda flua para as áreas controladas pelos rebeldes.

O membro da Comissão, Paulo Pinheiro, disse em entrevista coletiva em Genebra que houve um "completo fracasso do governo e da comunidade internacional, incluindo as Nações Unidas, em direcionar rapidamente ajuda urgente para salvar vidas no noroeste da Síria".

"Muitos dias foram perdidos sem qualquer ajuda aos sobreviventes do terremoto", disse ele.

Fontes