Ação judicial contra símbolos religiosos em prédios públicos é violência, diz CNBB

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

23 de agosto de 2009

São Paulo - Pedir judicialmente a retirada de símbolos religiosos de edifícios públicos é uma violência, na opinião do presidente da Conferencia dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Geraldo Lyrio Rocha. “Querer, apelando para a questão do Estado laico e da sociedade pluralista, apagar todos os elementos que estão incorporados na cultura brasileira é uma violência que se faz”, disse em entrevista à Agência Brasil.

No final de julho, o Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo ajuizou ação civil pública para obrigar a União a retirar todos os símbolos religiosos afixados em locais de atendimento ao público nas repartições federais do estado.

Dom Geraldo destacou que a maior parte da população brasileira é católica e que história do país é “fortemente marcada pela presença da Igreja”. Para ele, aceitar a presença dos símbolos de fé é um exemplo de “tolerância religiosa”, pelos praticantes de outros credos.

Para o padre e doutor em direito canônico, Salmo de Souza, deve haver cuidado nas manifestações contra a religiosidade para que não se transformem em intolerância à religião. “O Estado não poderia adotar uma ideologia que seria o princípio leigo no aspecto negativo, ou seja, uma intolerância para qualquer sinal religioso.”

Segundo o padre, os símbolos de fé afixados até mesmo em prédios públicos “estão em coerência com a tradição do povo na sua maioria”. Por isso, na opinião de Souza, é necessário compreensão pelas minorias.

Na avaliação da professora da Universidade de São Paulo (USP) e militante de direitos humanos Roseli Fischmann, a presença de crucifixos em tribunais e outros edifícios públicos é uma imposição da maioria cristã sobre as minorias de outros credos e a arreligiosa.

Fontes[editar]


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati