75% dos russos apoiam a introdução de aulas de educação sexual

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

8 de setembro de 2020

A maioria dos russos (74,7%) apoiou a ideia de introduzir aulas de educação sexual nas escolas. O estudo foi realizado por um serviço de telemedicina da Rússia.

41,5% dos entrevistados apoiaram totalmente a introdução de aulas de educação sexual, onde os alunos serão informados sobre a estrutura corporal, infecções sexualmente transmissíveis e métodos de contracepção.

Apenas 7,3% dos entrevistados escolheram a opção “a educação sexual deve ser feita em casa (na família), não nas escolas”. 6,4% acharam difícil responder.

Os participantes do estudo também foram questionados sobre quem deveria educar os alunos sobre os métodos anticoncepcionais. Na opinião da maioria dos entrevistados (65%; os entrevistados podiam escolher várias opções ao mesmo tempo), os médicos convidados deveriam fazer isso. 37,1% acreditam que o psicólogo escolar deve falar sobre isso, 11,3% escolheram os professores.

Quando questionados sobre a idade em que uma criança deve ser informada sobre saúde sexual, pouco menos da metade dos russos pesquisados ​​(47,3%) indicou 11-14 anos, ou 5-9ª série. 27,5% dos entrevistados disseram que o ideal seria no ensino médio.

A pesquisa envolveu 4.200 russos. Entre os entrevistados, 52% são homens, 48% são mulheres. Mais de 60% dos entrevistados são residentes de Moscou e outras cidades com uma população de mais de um milhão.

No final de 2019, Olga Vasilyeva, então Ministra da Educação, disse que não pensava em autorizar o ensino desse tema nas escolas. Ela observou que a família é a principal responsável pelo assunto.

Fontes

Ligação a um site em russo Опрос: 75% россиян поддерживают введение уроков сексуального просвещения в школахPanarmenian, 8 de setembro de 2020

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com