É derrubada a estátua de um escravista em Bristol

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A estátua de Edward Colston, erguida em 1895 e derrubada em 7 de junho de 2020

8 de junho de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Os protestos pelo movimento "Black Lives Matter", que se espalharam após a morte de George Floyd, também chegaram a Bristol (no Reino Unido). Ontem havia mais de dez mil manifestantes na cidade. O protesto foi então para o porto de Bristol, onde ele foi derrubado e jogado no rio a estátua de Edward Colston, escravista do século XVII.

Apesar de trazer mais de 80.000 africanos para as Américas, incluindo mulheres e crianças (das quais se estima que pelo menos 19.000 tenham morrido na viagem) Colston é celebrado no Reino Unido por sua filantropia: com os lucros do tráfico de escravos financiou a construção de estruturas públicas em Bristol e no país.

A statue of a 17th-century slave trader was toppled in the UK city of Bristol as protests against police brutality and racism continued for a second day.
(Uma estátua de um comerciante de escravos do século XVII foi derrubada na cidade britânica de Bristol, enquanto os protestos contra a brutalidade policial e o racismo continuavam pelo segundo dia)

Reuters (@Reuters) via Twitter

Nos vídeos, divulgados nas mídias sociais, se ver um grupo de manifestantes amarrando uma corda ao redor dos pés de Colston, a fim de retirá-lo do pedestal. Depois disso, a estátua foi levada ao rio rolando-a e jogada nela. Todos recebidos por aplausos e gritos de aprovação da multidão.

A polícia está investigando o abate da estátua: «Um pequeno grupo de pessoas cometeu um ato criminoso ao derrubar uma estátua perto do porto de Bristol. Já estamos coletando imagens do incidente", diz o superintendente Andy Bennett.

Fontes

Na Wikipédia há um artigo sobre Edward Colston.
Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com