Áustria: russo é morto a tiros

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

6 de julho de 2020

Bandeira da Áustria
Outras notícias sobre a Áustria
Localização da Áustria
Localização da Áustria

Na cidade austríaca de Gerasdorf bei Wien, no subúrbio de Viena, um russo que buscava asilo político foi morto a tiros.

Segundo um representante da polícia, Walter Schwarzenecker, tanto o assassinado quanto o suspeito são nativos da Chechênia. O homem, de 43 anos, foi morto em 4 de julho às 19:30, horário local, com um tiro na cabeça. O suposto assassino foi detido "sem resistência" na cidade de Linz.

Os policiais investigam se o assassinato foi ordenado. A vítima, identificada como Mamikhan Umarov, era “opositor político” de Kadyrov, procurou asilo político e estava anteriormente sob proteção policial devido a ameaças.

A morte violenta de imigrantes chechenos que deixaram a Rússia tem sido repetidamente associada às autoridades atuais da República e a seu chefe Ramzan Kadyrov. Oficialmente, nem as agências estrangeiras, nem as autoridades russas e chechenas confirmaram essa conexão.

Casos semelhantes

O blogueiro Tumso Abdurakhmanov, que criticou o chefe da Chechênia, foi atacado em fevereiro de 2020, na Suécia. Ele conseguiu neutralizar o atacante e entregá-lo à polícia. Na Rússia, Abdurakhmanov está na lista de procurados sob a acusação de participar de grupos armados ilegais na Síria. O blogueiro afirma que ele nunca esteve lá.

Em 2019, o presidente do Parlamento da Chechênia, Magomed Daudov, ligou para Abdurakhmanov e tentou descobrir seu endereço. Mais tarde, de acordo com a BBC, Daudov postou um vídeo com ameaças. O parlamentar excluiu o vídeo e as autoridades chechenas negaram a ameaça.

Em junho, o Ministério Público Federal da Alemanha indiciou um cidadão russo suspeito de assassinato por contrato do ex-comandante de campo checheno Zelimkhan Hangoshvili. As autoridades alemãs estão confiantes de que ele agiu por ordem dos órgãos do governo russo.

As agências policiais russas ignoram a proposta de colegas estrangeiros de cooperação e as declarações dos cidadãos russos sobre a conexão de Kadyrov com os crimes mencionados.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com