Áustria: russo é morto a tiros

Fonte: Wikinotícias

6 de julho de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Na cidade austríaca de Gerasdorf bei Wien, no subúrbio de Viena, um russo que buscava asilo político foi morto a tiros.

Segundo um representante da polícia, Walter Schwarzenecker, tanto o assassinado quanto o suspeito são nativos da Chechênia. O homem, de 43 anos, foi morto em 4 de julho às 19:30, horário local, com um tiro na cabeça. O suposto assassino foi detido "sem resistência" na cidade de Linz.

Os policiais investigam se o assassinato foi ordenado. A vítima, identificada como Mamikhan Umarov, era “opositor político” de Kadyrov, procurou asilo político e estava anteriormente sob proteção policial devido a ameaças.

A morte violenta de imigrantes chechenos que deixaram a Rússia tem sido repetidamente associada às autoridades atuais da República e a seu chefe Ramzan Kadyrov. Oficialmente, nem as agências estrangeiras, nem as autoridades russas e chechenas confirmaram essa conexão.

Casos semelhantes

O blogueiro Tumso Abdurakhmanov, que criticou o chefe da Chechênia, foi atacado em fevereiro de 2020, na Suécia. Ele conseguiu neutralizar o atacante e entregá-lo à polícia. Na Rússia, Abdurakhmanov está na lista de procurados sob a acusação de participar de grupos armados ilegais na Síria. O blogueiro afirma que ele nunca esteve lá.

Em 2019, o presidente do Parlamento da Chechênia, Magomed Daudov, ligou para Abdurakhmanov e tentou descobrir seu endereço. Mais tarde, de acordo com a BBC, Daudov postou um vídeo com ameaças. O parlamentar excluiu o vídeo e as autoridades chechenas negaram a ameaça.

Em junho, o Ministério Público Federal da Alemanha indiciou um cidadão russo suspeito de assassinato por contrato do ex-comandante de campo checheno Zelimkhan Hangoshvili. As autoridades alemãs estão confiantes de que ele agiu por ordem dos órgãos do governo russo.

As agências policiais russas ignoram a proposta de colegas estrangeiros de cooperação e as declarações dos cidadãos russos sobre a conexão de Kadyrov com os crimes mencionados.

Fontes