Ásia "exporta" poluição atmosférica para os Estados Unidos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Amazônia
Outras notícias sobre o meio-ambiente


25 de janeiro de 2010

Segundo um estudo da Universidade do Colorado, gases com efeito de estufa e potenciadores de ozono troposférico emitidos por nações asiáticas estão a contribuir para a diminuição da qualidade do ar da América do Norte, complicando assim a tarefa do governos locais no cumprimento da sua legislação ambiental.

As emissões de gases como óxidos de azoto são a principal fonte de ozono na troposfera. Esses gases comportam riscos para a saúde e potenciam os gases com efeito estufa. Estudos de satélite realizados entre 1996 e 2005 sugerem que houve uma diminuição das emissões de precursores de ozono, da América do Norte e Europa, mas um aumento da China e outras partes da Ásia.

A análise mostra um aumento global significativo de ozono na primavera de cerca de 14 por cento entre 1995 e 2008. Quando incluídos os dados de 1984, o ano com o menor nível de ozono médio, os cientistas viram uma taxa semelhante de aumento a partir desse momento até 2008 e um aumento global de ozono na primavera de 29 por cento.

Embora os níveis detectados sejam pequenos, têm vindo a aumentar desde 1995, e provavelmente mais, afirmou Owen R. Cooper, cientista da Universidade do Colorado.

O estudo é a primeira ligação entre o ozono atmosférico encontrado nos Estados Unidos e a poluição de origem asiática, disse Dan Jaffe, especialista em química atmosférica e ambiental, da Universidade de Washington-Bothell

No sul da Califórnia, que tem alguns dos mais altos níveis de poluição nos Estados Unidos, os níveis de poluição atmosférica excedem os padrões de saúde durante mais de 80 dias por ano. Com base em novos estudos, a EPA anunciou este mês que pode reforçar as regras federais relativas ao ozono.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati