África do Sul nega o visto para Dalai Lama

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

24 de março de 2009

A África do Sul negou ao Dalai Lama, o visto para entrar no país, onde em 27 de março celebrará uma conferência do Prêmio Nobel da Paz ligados à Copa Mundial de Futebol de 2010 neste país. O tema da conferência sobre a capacidade do futebol contribuir na luta contra a xenofobia e promover a paz.

“Se as autoridades da África do Sul não revisar a negativa em conceder um visto para o Dalai Lama, o comitê norueguês dos prêmios Nobel não participará de nenhuma forma na conferência”, disse o chefe do Prêmio Nobel em Oslo, Geir Lundestad.

Em um gesto de solidariedade e união com o Dalai Lama, o arcebispo anglicano sul-africano e Prêmio Nobel da Paz Desmond Tutu escreveu no Sunday Tribune: “Se lhe nega um visto para sua santidade, não participarei na próxima conferência de paz ligada à Copa do Mundo. Condenarei o comportamento do governo como vergonhoso, em linha com nosso mau comportamento ao Conselho de Segurança das Nações Unidas como uma traição total à nossa história de luta. Estamos cedendo de um vergonhoso às pressões da China. Estou profundamente envergonhado e me entristeste”.

O ex-premier sul-africano Friederick Willy de Klerk e Nelson Mandela, ambos Prêmio Nobel da Paz em 1993, não participarão na conferência em 27 de março e as atividades relacionadas a menos que se garantir um visto de entrada ao Dalai Lama.

Um porta-voz do presidente sul-africano, Thabo Masebe disse que o Governo da África do Sul não tem nenhum problema com o Dalai Lama, mas se, entrar-se no país neste momento, a atenção se transferirá por completo à Copa do Mundo a questão do Tibete. Masebe destacou que os responsáveis pelo evento não consultarão o governo antes de convidar os hóspedes.

Entretanto, na semana passada, o fundo para o desenvolvimento China-África, será inaugurado em Johannesburgo na primeira oficina na África, com um orçamento de um bilhão de dólares e a presença do líder do Congresso Nacional Africano, Jacob Zuma.

Fontes