África Subsaariana enfrenta grave escassez de alimentos

12 de julho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha alerta que centenas de milhões de pessoas na África Subsaariana estão passando fome devido a conflitos, choques climáticos e aumento dos preços dos alimentos desencadeados pela invasão da Ucrânia pela Rússia.

O CICV alerta que a crise alimentar na África deve piorar. Ele diz que conflitos e violência armada, colheitas fracas devido a anos de seca e aumentos nos preços de alimentos e outras commodities estão levando mais pessoas à pobreza extrema e à fome.

Uma avaliação recente da ONU estima que 346 milhões de pessoas no continente enfrentam grave insegurança alimentar, o que significa que um quarto da população não tem o suficiente para comer.

O diretor regional do CICV para a África, Patrick Youssef, diz que a situação é urgente. Ele adverte que muitas vidas serão perdidas sem um esforço conjunto de diferentes atores para enfrentar os desafios futuros. Ele diz que agências de ajuda, instituições financeiras internacionais e governos devem colaborar para evitar que a crise humanitária se torne irreversível.

“Ao olharmos para 2023, sabemos que isso se repetirá. Esses choques climáticos se repetirão; a insegurança alimentar continuará tão aguda quanto é", disse Youssef. "Não terminará com o ano civil. Assim, todos estaremos melhor preparados coletivamente para um longo curso, para uma situação, para uma crise que certamente aumentará em tamanho e volume.”

O CICV informa que a invasão da Ucrânia causou um forte aumento nos preços dos combustíveis e fertilizantes. Isso, diz, acrescentou uma pressão significativa sobre os agricultores, muitos dos quais estão enfrentando o impacto combinado de conflitos e choques climáticos.

Youssef diz que o Chifre da África é o mais afetado. Ele observa, no entanto, que outras partes da África, da Mauritânia ao Sahel, ao Lago Chade e, em menor grau, a República Centro-Africana, estão sofrendo os efeitos da crise na Ucrânia.

“Os países são igualmente, pelo menos aqueles que são, como você mencionou, tão dependentes de grãos e trigo da Rússia e da Ucrânia. A Somália é a pior — 90%", disse Youssef. "Mas a Nigéria também depende muito disso. Sudão e Sudão do Sul também. E, de fato, a situação é extremamente difícil para pessoas inacessíveis para organizações humanitárias, como a Somália.”

Youssef diz que a falta de acesso às pessoas em áreas afetadas por conflitos e violência armada, como Somália e Burkina Faso, eleva os desafios a um nível diferente.

O CICV informa que mais de 35 conflitos armados estão ocorrendo no continente e cerca de 30 milhões de pessoas estão deslocadas internamente e refugiadas. A agência humanitária com sede na Suíça diz que as pessoas desalojadas de suas casas são particularmente vulneráveis ao clima extremo, à flutuação dos preços dos alimentos e à fome.

Fontes