'É uma farsa', dizem os anti-máscaras da Califórnia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

19 de julho de 2020

Localização da Califórnia nos Estados Unidos

Para Davey, morador da cidade de Huntington Beach, no sul da Califórnia, a exigência de usar uma máscara para conter a disseminação do coronavírus não é algo que ele leva a sério.

"É uma farsa", disse o jogador de 51 anos ao sair de uma loja de roupas sem máscara, referindo-se a uma regra estadual de que as pessoas nos locais públicos deveriam usar coberturas de rosto.

Davey não é o único residente desta cidade no Condado de Orange, que tem uma grande presença republicana, a se revoltar contra "lockout' e uso de máscaras.

"É meu direito constitucional, dado por Deus, de não usar máscara", disse Davey, que se recusou a dar seu sobrenome.

A controvérsia sobre o assunto levou o chefe de saúde do condado, Nichole Quick, a renunciar no mês passado, após semanas de defesa de seu pedido da obrigatoriedade do uso de máscara facial em todo o condado. Seu sucessor descartou o mandato, dizendo que as máscaras seriam "fortemente recomendadas", não necessárias.

Enquanto isso, o xerife do condado, disse que não aplicará a ordem das máscaras em todo o estado, optando pela "educação em primeiro lugar".

Wendy Wood, professora de psicologia da Universidade do Sul da Califórnia, comparou a reação contra as máscaras à oposição que surgiu quando as leis exigiam o uso obrogatório do cinto de segurança.

"Este é um novo comportamento para a maioria dos americanos", disse ela. "E você pode pensar nisso como cintos de segurança."

Para complicar a questão da máscara, Wood reconheceu que são as mensagens mistas originárias do governo local, estadual e particularmente do governo federal.

"Tornou-se politizado e chegou a representar sua orientação política", disse ela, com os democratas mais inclinados a seguir as oriemtações de especialistas em saúde, e os republicanos com maior probabilidade de serem influenciados por Trump.

Alison Dundes Renteln, professora de ciências políticas da USC, disse que a controvérsia vai além da identidade política.

"Não estou negando que exista um tipo de tribalismo, hiper-politização". "Mas acho que é muito mais complexo ... os americanos não gostam que o governo diga a eles o que fazer.

"Você sabe, 'me dê liberdade ou me dê a morte'".

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com