Zelaya sinaliza que reconhecerá resultado das eleições, se 80% dos eleitores comparecerem às urnas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

Aristóteles
Outras notícias sobre política


25 de novembro de 2009

Honduras


A quatro dias das eleições gerais em Honduras, o presidente deposto, Manuel Zelaya, afirmou hoje (25) a interlocutores que pode reconhecer os resultados do processo eleitoral, se mais de 80% dos eleitores comparecerem às urnas. Mas, segundo o líder, pouco mais de 40% do eleitorado deve participar das votações. Pelos dados oficiais, aproximadamente 4,6 milhões de eleitores estão registrados para votar para presidente, vice-presidente, deputados federais e prefeitos.

É a primeira vez que Zelaya sinaliza que pode reconhecer os resultados das eleições, as quais suspeita que são conduzidas de forma fraudulenta. Para o governo brasileiro, os resultados só seriam legitimados, se o presidente deposto tivesse sido reconduzido ao poder e Honduras voltado à normalidade – com o fim da censura à imprensa, do cerceamento às liberdades individuais e do policiamento ostensivo nas ruas.

Apesar do anúncio de afastamento do cargo por oito dias feito pelo presidente de facto, Roberto Micheletti, Zelaya afirmou a negociadores brasileiros que se prepara para ficar na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa até o dia 27 de janeiro de 2010, quando termina seu mandato constitucional.

Abrigado na Embaixada do Brasil há dois meses, Zelaya mantém um gabinete privado no local. Porém, o líder circula pela área e conversa com os demais hóspedes. Nas conversas, de acordo com alguns dos presentes, o líder não esconde o aborrecimento com o apoio dos Estados Unidos e do Panamá às eleições do dia 29.

Segundo diplomatas brasileiros, Zelaya dá indicações de frustração e desânimo em relação à possibilidade de um acordo para encerrar a crise política hondurenha que se arrasta há cinco meses, desde que foi destituído do poder por uma manobra política organizada pelo Congresso, as Forças Armadas e a Suprema Corte.

Diplomatas que acompanham o processo eleitoral afirmaram à Agência Brasil que Zelaya classificou o apoio estadunidense e panamenho de "jogo". Somente os Estados Unidos e o Panamá apoiam o processo eleitoral hondurenha, os demais países das Américas do Norte, Central e do Sul, sob liderança do Brasil, levantam dúvidas sobre a isenção das eleições.

O governo do Paraguai, por exemplo, informou que vai rejeitar o resultado das eleições. No Brasil, ontem (24), o assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, afirmou que ao legitimar o resultado das eleições o que se faz é referendar o golpe de Estado que depôs Zelaya. Segundo ele, é “lamentável” a decisão do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, de reconhecer os resultados das eleições.

Fontes


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati