Wikinotícias:Código de Ética

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Isto é uma política proposta. Pode optar por segui-la. Se esta tiver um seguimento generalizado e um apoio generalizado da comunidade, pode tornar-se uma política real. Por favor comente na página de discussão quaisquer alterações que gostaria de fazer.

A finalidade do Código de Ética do Wikinotícias é fazer com que todos os artigos publicados tenham uma qualidade mínima que permita ao Wikinotícias ser reconhecido pelo público em geral como um agente respeitável difusor de informação.

Importante[editar]

Sweden road sign A40.svg

Este é o Código de Ética que deve ser obrigatoriamente seguido pelos colaboradores do Wikinotícias. Sugerimos enfaticamente que todas as pessoas leiam com atenção as diretrizes aqui delineadas.

As pessoas que atentarem de maneira irresponsável, consciente e de má-fé, repetidamente, contra o Código de Ética estarão sujeitas a serem severamente punidas com bloqueio.

Compromissos do colaborador[editar]

Os compromissos do colaborador são: a honestidade, a verdade, a divulgação da verdade e o respeito ao público.

São deveres do colaborador:

  • respeitar os princípios de liberdade e ser honesto na colecta de notícias e na publicação das mesmas. O colaborador deve fazer críticas e comentários de maneira justa e imparcial.
  • noticiar aquilo para o qual conhece a origem.
  • usar métodos legais e éticos para colectar informações, fotografias e documentos.
  • zelar para que a notícia que foi publicada de forma equivocada seja retificada tão logo quanto possível.
  • evitar a discriminação étnica, sexual, religiosa, social, cultural e de opinião.
  • aceitar críticas e interferências somente dos colegas do Wikinotícias seriamente comprometidos com princípios éticos de jornalismo e com este guia.
  • zelar para a manutenção da transparência.

Respeito com os colaboradores[editar]

Todos os colaboradores do Wikinotícias devem ser tratados com respeito. Sendo seres humanos, é natural que em determinados momentos alguém, mesmo agindo com boa-fé, cometa deslizes. O colaborador deve ser paciente e trabalhar de forma construtiva, sempre ajudando e criticando de forma respeitosa.

Direitos autorais[editar]

Todo colaborador deve respeitar os direitos autorais. Não publique ou copie material, no todo ou em parte, sem que haja consentimento expresso do autor. Na dúvida não publique.

Não plagie, nem mesmo trabalho para o qual tem permissão para a cópia.

Não censure[editar]

Trabalhe no sentido de publicar toda notícia e toda informação que é válida. Nunca censure ou tente censurar uma notícia escrita de maneira justa e que segue os princípios deste guia.

Nunca procure limitar a liberdade de expressão ou o direito de informar.

Toda notícia deve ter Referências[editar]

Informação sem Referência não pode ser publicada. Toda notícia para ser publicada deve obrigatoriamente vir acompanhada de Referências especificadas numa secção separada. As únicas exceções são para cobertura de eventos esportivos, eventos ao vivo, agendas e reportagens originais. Todos os eventos descritos no texto devem estar descritos nas Referências ou ser de conhecimento público inquestionável (Exemplo: "Ronaldinho é brasileiro").

Procure sempre que for possível trabalhar com a Referência original das notícias.

As Referências devem ter boa reputação[editar]

As Referências devem ter boa reputação como fontes noticiosas imparciais e devem respeitar o Código de Ética para Referências do Wikinotícias.

Podem ser consideradas Referências válidas: órgãos ou agências de notícias do Governo, Polícia, Forças Armadas, Igreja, agências noticiosas nacionais e internacionais, jornais e revistas, emissoras de rádio e televisão, publicações eletrônicas (internet).

São válidas Referências respeitadas e especializadas na cobertura de eventos específicos como por exemplo: espetáculos, cultura, informática, desporto, economia.

Se a Referência descreve um evento sob suspeita, que nenhuma outra Referência divulgou, o nome da Referência deve vir no título da notícia.

Referências parciais[editar]

Referências com reputação de serem parciais podem ser usadas desde que elas sigam o Código de Ética para Referências (com uma possível exceção para o facto de serem parciais).

Deve-se sempre que possível usar o princípio da auto-referência, isto é, usar a Referência para descrever um facto relacionado a ela mesma.

A parcialidade e o uso dessas Referências deve ficar evidente no texto e sempre que possível deve-se descrever sua natureza e os interesses que elas representam.

Essas referências devem ser usadas com bom senso, com o objectivo de informar e nada além disso.

Imprensa controlada[editar]

Há governos que exercem controle rigoroso na propagação e produção de informação, praticando poder de censura.

Para ser considerado poder de censura, é necessária a existência de um mecanismo de controle da informação exercido de forma abrangente e incontestável, em praticamente toda a sociedade.

Não deve ser considerado poder de censura quando se obedece uma lei não imposta arbitrariamente que zela para a manutenção de padrões éticos, ou deve-se seguir uma lei ou norma apoiada pela maioria e que pode ser revertida. Exemplos: "proibir mensagens racistas" não é exercer poder de censura, "proibir divulgação de material claramente calunioso" também não pode ser considerado exercer poder de censura, "proibir a divulgação de pesquisas eleitorais no dia que antecede uma eleição" não é exercer poder de censura.

Não deve ser considerado poder de censura quando um governo controla a informação que ele próprio divulga ou produz. Exemplos: "é natural supor que qualquer governo, de qualquer país, divulgue ao público mais notícias positivas sobre a administração, ao mesmo tempo em que procure diminuir a divulgação das notícias negativas", "um governo tem o direito de não divulgar ou dificultar o acesso a informações que ele detém e considera como segredo de Estado".

Nesses Estados, as Referências do Governo devem ser consideradas Referências Parciais.

Deve-se fazer o possível para romper - sempre com boa fé e no interesse da informação e da liberdade da imprensa - as limitações impostas por esses governos. Nesses casos, com o intuito de romper a barreira do silêncio, a seleção e o trato das Referências pode ser menos rigorosa, ainda que com algum critério.

Uso das Referências[editar]

O facto de uma notícia ter sido publicada por uma agência noticiosa, mesmo que ela seja respeitada, não implica que a notícia seja verdadeira (Referências de boa reputação também erram!). O fato de uma notícia ter aparecido num órgão da imprensa ou outra referência respeitada não lhe dá o direito de publicar como incontestável e verdadeira uma notícia com indícios de ser falsa.

Por precaução, se a informação é oriunda de somente uma Referência noticiosa e ninguém mais publicou, indique isto no texto: "Segundo o Diário de Cidadópolis..." , "A revista Z publicou que...", etc. Se a notícia foi publicada por várias agências, ou é um facto amplamente divulgado e sobre o qual quase não há dúvidas, não é necessário especificar a Referência no texto da notícia.

Se alguma Referência é viesada ou envolve algum conflito de interesses, deixe isso claro no texto.

Minimize os danos[editar]

Escreva sempre no sentido de maximizar a verdade e minimizar os danos.

Liste as pessoas e grupos envolvidos no artigo. Coloque-se na posição deles. Antes de publicar o artigo veja se é possível reescrever o texto, sem comprometer a informação que deseja divulgar, de forma mais simpática a essas outras pessoas ou grupos.

Linguagem[editar]

É expressamente proibida a utilização de expressões chulas, depreciativas, palavras de baixo calão, exceto em condições especiais quando elas são necessárias para a fidelidade da notícia (Exemplo: O Presidente do Parlamento chamou o deputado de "ladrão").

A linguagem utilizada deve ser séria, comedida, a menos passional possível.

Utilizadores que abusarem de linguagem vulgar e imprópria sem justificativa, sem se basear em factos, poderão ser punidos com bloqueio, sem nenhuma advertência.

Descreva factos[editar]

Apenas descreva os factos, não faça especulações, não faça interpretações, não faça juízos de valor. Seja objectivo.

Precisão[editar]

Escreva com a maior precisão possível. Separe os fatos, das opiniões, deixe evidente o que é fato e o que é uma opinião.

Sempre verifique a precisão da informação do seu texto e do texto das Referências. Mesmo uma Referência respeitada pode cometer equívocos na informação que divulga e ela não pode servir como justificativa para escrever informação equivocada. Pesquise outras Referências, consulte dicionários, enciclopédias, mapas, etc.

Publique um facto apenas se considerar que ele é verdadeiro. Torne transparente possíveis conflitos de interesse.

Não distorça os factos, não falsifique documentos, não suprima informação essencial.

Procure reportar a notícia da forma mais fidedigna possível.Seja honesto.

Pluralidade da informação[editar]

Deve-se procurar sempre que possível garantir a pluralidade da informação.

Sempre que se publicar uma notícia que reflete a opinião de uma pessoa ou grupo, se for possível, deve-se publicar as versões de outras pessoas ou grupos, com o mesmo critério de igualdade. Há casos em que, excepcionalmente, isto não é possível, ou por que não há uma outra versão, ou por que o outro lado preferiu calar-se. Se realmente as pessoas ou grupos envolvidos preferiram não opinar, deve-se colocar isto na notícia. Se realmente não houver outra versão, não for feita nenhuma objeção justificável, com bom senso e boa-fé pode-se colocar apenas a versão que se conhece no momento e que parece ser a mais fidedigna.

Não se deve confundir outras versões com juízos pessoais de valor ou se valer de artifícios não baseados em factos verificáveis, sob o pretexto de aumentar a pluralidade da notícia.

Entrevistas[editar]

Se reproduzir a fala de alguém, dada numa entrevista, sempre que possível, diga quem é o entrevistador. Exemplos: "'Um bom negócio', disse o empresário Fulano de Tal ao Diário da República", "O senhor X disse ao repórter do Jornal da Manhã que conheceu a senhora Y num restaurante".

Factos negativos[editar]

Todas as notícias que contêm informações ofensivas a personalidades políticas, empresas, homens de negócio, artistas, e outros devem ser escritas com cuidado. Questões sobre corrupção, inquéritos policiais, acusações pessoais, de natureza individual ou coletiva devem ser narradas de modo objetivo, responsável e rigorosamente fundamentado.

A legislação da maioria dos países pune criminalmente com penas de prisão a divulgação de informação com intenção de devassa que exponha a vida privada de uma pessoa. Por causa disso, é expressamente proibido divulgar informações que sirvam para macular a imagem de um sujeito, com intenção clara de devassa, ou que exponha a vida privada, com enumeração de fatos relacionados ao convívio familiar, vida sexual ou doença. Contudo, a divulgação de informação pessoal que é legítima e atenda o interesse público e esteja relacionada à notícia, não deve ser punida e pode ser publicada. Mesmo assim, as informações que fazem parte da vida privada do sujeito devem ser publicadas de maneira séria e contida, e somente se forem relevantes para a história. A publicação de detalhes pessoais apenas para satisfazer uma curiosidade mórbida ou sensacionalismo é proibida.

É expressamente proibido divulgar informação que faça juízo de valor ofensivo ou tente relacionar um facto, ainda que só sob a forma de suspeita, directa (difamação) ou indirectamente (injúria), que prejudique a honra pessoal de terceiros.

Não são considerados atos de injúria ou difamação e podem ser publicadas informações de natureza ofensiva que atendam a interesses públicos legítimos, haja boa-fé de quem publicou, seja possível provar a veracidade das informações ou haja indícios fortes que apontem para a veracidade, tenham sido publicadas por órgãos da imprensa de reconhecimento público e as informações façam parte da notícia. Também podem ser publicadas informações de natureza ofensiva — e neste caso em particular, independente da veracidade — quando elas são declarações públicas oriundas de personalidades públicas. Neste caso, o que se está a fazer é apenas noticiar um facto que é certa personalidade pública fazer certas acusações.

Não escreva artigos com interpretações maliciosas, calúnias, difamações e acusações infundadas.

Utilizadores que publicarem textos de maneira imprópria, sem nenhum cuidado, sem se basear em factos, visando, de forma evidente, exclusivamente injuriar ou difamar a honra pessoal de quem quer que seja poderão ser punidos com bloqueio, sem nenhuma advertência.

Não condenar antecipadamente[editar]

Nunca deve ser confundida a suspeita com a culpa. O tratamento a assuntos de natureza criminal deve ser feita de maneira sóbria, contida, distanciada e sempre fugir ao sensacionalismo. Todo sujeito é "suspeito" ou "acusado de" até que ele tenha sido declarado culpado em julgamento por algum tribunal. Casos que ainda estão em julgamento e são controversos devem ser abordados com extremo cuidado.

As palavras: "confissão", "confessar" e similares só podem ser usadas se referirem a um depoimento prestado pelo réu ou seu defensor numa audiência formal de um tribunal. As pessoas na condição de acusadas sempre "relatam", "declaram", "contam" ou "explicam" e nunca "admitem" , "reconhecem" ou "confessam". A expressão "réu confesso" e similares só podem ser usadas caso tenham sido proferidas durante uma sentença num tribunal.

A honra e a dignidade das pessoas acusadas devem ser sempre respeitadas. Não devem ser usadas expressões depreciativas e chulas. É expressamente proibido escrever de forma a desmoralizar gratuitamente as personagens, independente de serem inocentes, suspeitas ou julgadas culpadas num tribunal. Factos negativos relacionados a pessoas suspeitas ou julgadas culpadas podem ser citados, desde que seja feito de forma honesta, precisa e sem sensacionalismo.

Utilizadores que publicarem textos de maneira imprópria, sem nenhum cuidado, sem se basear em factos e não relacionados nas Referências para imputar crimes de maneira evidentemente irresponsável a quem quer que seja, poderão ser punidos com bloqueio, sem nenhuma advertência.

Declarações pessoais[editar]

Expressões como: "diz-se que", "consta que", "parece que" referem-se a boatos e não devem ser publicadas. Boatos podem ser publicados somente se fizerem parte da notícia e estiver claro de que são boatos (Exemplo: "A bolsa caiu porque disseram que o ministro iria renunciar").

É proibido usar fontes-fantasmas. Toda declaração de uma opinião deve ser atribuída a uma fonte qualificada. A fonte deve estar definida da melhor maneira possível, com: nome, profissão, partido ou grupo que representa. As construções do seguinte tipo são proibidas: "Alguns dizem que a marca de sabão A é melhor do que a B", "Certos indivíduos acham que...", "Mas dizem que...", "Contudo há quem desaprove...".

Não use sujeitos indeterminados em orações que podem ser escritas com sujeitos determinados.

Estudo de casos[editar]

Caso 1: Entrevista não verificada[editar]

Em maio de 2005, um empolgado wikijornalista viu o que parecia ser uma oportunidade perfeita de um grande furo de reportagem. Havia na ocasião uma especulação difundida na mídia em geral sobre a identidade de um homem que tinha aparecido na Inglaterra, e que não falava. Este homem foi apelidado de Homem Piano por causa da sua habilidade como pianista.

Poucas semanas depois da chegada do homem à Inglaterra, um wikipediano americano contactou o wikijornalista e disse que tinha certeza sobre a identidade do homem, que a seu ver seria um ator britânico. A partir desta única fonte o wikicolaborador publicou um artigo inteiro sobre as hipóteses especulativas, tudo baseado numa só fonte. Mais tarde verificou-se que esta fonte estava errada o que causou grande consternação. Embora o autor tenha deixado claro desde o início do artigo que o artigo se baseava numa única fonte não verificada, ele cometeu os seguintes erros graves:

  • Ele não tentou contactar o ator.
  • Ele colocou uma referência para um colega de negócios na parte final do texto do artigo sem fazer qualquer tentativa para contactar a referida pessoa.
  • Ele confiou numa fonte única.
  • Ele falhou em considerar as conseqüências para o caso de o artigo estar incorreto.
  • Ele falhou em discutir o extensivamente o artigo com outros Wikijornalistas - e com isso perdeu a oportunidade de ter o artigo lido por terceiros que poderiam adverti-lo sobre a fonte não verificada.

O autor mais tarde se desculpou - mas naquela hora muitos leitores já tinham sido enganados, o assunto do artigo já havia sido incorretamente tratado e a credibilidade do Wikinews já havia sido danificada - e a própria credibilidade do autor saiu prejudicada.

Ver também[editar]