Venezuela: mais de 2 mil mortes durante operações de segurança

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

27 de setembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, disse que está preocupada com "o alto número de mortes de jovens em favelas como resultado de operações de segurança", revelando que seu escritório registrou 711 mortes entre junho e agosto.

Ela garantiu que desde janeiro foram registradas "mais de 2.000 mortes" na Venezuela. As declarações de Bachelet fazem parte da 45ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU.

"Meu escritório continuou a documentar casos de repressão a protestos pacíficos no contexto do estado de alarme em vigor desde março, incluindo a prisão de manifestantes que protestavam contra baixos salários, deficiências nos serviços públicos e escassez de gasolina. Registramos as mortes de dois manifestantes em Anzoátegui e Zulia, supostamente cometidos por forças de segurança. O Ministério Público iniciou investigações para esclarecer tais eventos", disse Bachelet.

Bachelet reiterou em sua apresentação o reconhecimento ao disputado governo de Nicolás Maduro pela “recente adoção de medidas positivas [...] como o perdão de 110 pessoas, a libertação de 40 e maior cooperação com meu escritório”. Ela reiterou que seu escritório continuará a "fornecer assistência técnica" ao governo.

Também destacou que reconhece “os esforços das autoridades para que os migrantes venezuelanos retornem ao país. No entanto, estou preocupado com o discurso estigmatizante de algumas autoridades que responsabilizam aqueles que retornam por travessias irregulares pela introdução da COVID-19 na Venezuela”.

"Reconheço a implementação de protocolos de biossegurança relacionados ao COVID-19 nos centros de detenção. Mas reitero meu apelo para melhorar substancialmente as condições de saúde, acesso a água, alimentos e medicamentos, e para garantir contatos regulares com familiares e advogados, fisicamente ou por telefone", acrescentou Bachelet.

A autoridade da ONU fez alusão a relatórios de associações profissionais que apontam para o impacto da pandemia no setor de saúde, incluindo que "33 por cento das mortes por COVID-19" se concentraram em médicos e enfermeiras, principalmente devido à falta de equipamentos de biossegurança e água nos hospitais.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com