Vencimento de títulos faz Dívida Pública Federal cair R$ 4 bilhões em agosto

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

25 de setembro de 2014

Brasil

O grande volume de vencimentos de títulos corrigidos pela inflação impediu a Dívida Pública Federal (DPF) de subir em agosto. De acordo com dados divulgados há pouco pela Secretaria do Tesouro Nacional, a dívida fechou mês passado em R$ 2,169 trilhões, com queda de 0,17% (R$ 4 bilhões) em relação a julho.

A dívida pública mobiliária – em títulos públicos – interna caiu 0,33%, de R$ 2,081 trilhões para R$ 2,075 trilhões. Isso ocorreu porque, no mês passado, o Tesouro resgatou R$ 21,7 bilhões em títulos a mais do que emitiu. Os vencimentos foram parcialmente compensados pela incorporação de R$ 14,8 bilhões em juros, mas o montante foi insuficiente para reverter a queda. O reconhecimento de juros ocorre porque a correção que o Tesouro se compromete a pagar aos investidores é incorporada gradualmente ao valor devido.

A redução no endividamento só não foi maior porque a dívida pública externa encerrou agosto em R$ 94,43 bilhões, com alta de 3,53% em relação ao valor de julho, quando tinha atingido R$ 91,21 bilhões. O principal fator foi a emissão de US$ 3,5 bilhões em títulos públicos brasileiros no exterior, seguida pela recompra de US$ 2 bilhões em papéis. A operação ocorreu no fim de julho, mas só foi incorporada à dívida pública em agosto.

O principal fator de queda da dívida pública no mês passado foi o elevado volume de vencimento de títulos. Apenas em agosto, R$ 57,486 bilhões de papéis do governo venceram. A maior parte, R$ 57,250 bilhões, correspondeu a títulos vinculados à inflação. Com a redução registrada em agosto, a DPF voltou a ficar abaixo das previsões do Tesouro. De acordo com o Plano Anual de Financiamento (PAF), divulgado no fim de janeiro, a tendência é que o estoque da DPF encerre o ano entre R$ 2,17 trilhões e R$ 2,32 trilhões.

Por meio da dívida pública, o governo pega emprestado dos investidores recursos para honrar compromissos. Em troca, compromete-se a devolver o dinheiro com alguma correção, que pode ser definida com antecedência, no caso dos títulos prefixados, ou seguir a variação da taxa Selic, da inflação ou do câmbio.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati