Vale vai construir ferrovia em Moçambique

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

4 de julho de 2012

Maputo — O Conselho de Ministros aprovou, em reunião na capital do país, a concessão para construção e exploração de uma linha férrea de 780 quilômetros entre as cidades de Moatize, na província de Tete, e o Porto de Nacala, em Nampula, no Oceano Índico. A obra será executada por um consórcio em que a mineradora brasileira Vale tem 80% e o governo de Moçambique, por meio da estatal CFM, 20%.

Estação ferroviária desativada em Moatize
(Foto: Teixant)

A previsão é que as obras durem três anos. Pela linha férrea serão transportadas até o Porto de Nacala, para embarque em navios, cerca de 40 milhões de toneladas de carvão por ano. A Vale é a principal mineradora em operação no país, e tem cerca de 1.400 funcionários, dos quais 40% são brasileiros, envolvidos na exploração do combustível fóssil em Tete.

O investimento total estimado é 1,5 bilhão de dólares (cerca de 3 bilhões de reais). A expectativa do governo moçambicano é que, além de cargas, os trens também possam transportar passageiros, a exemplo das linhas operadas pela Vale no Brasil – Vitória-Minas e Carajás-São Luís, no Maranhão.

Com a construção da ferrovia, outro trecho será viabilizado: o ramal ferroviário entre o país vizinho Malawi e Moatize, em Moçambique. O Malawi não tem litoral e a ferrovia poderia ser uma alternativa para importação e exportação de produtos e transporte de passageiros. A Vale também já manifestou interesse na construção e operação desse trecho, com custo de implantação estimado em 700 milhões de dólares.

Fontes[editar]


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati