Unasul vai mediar diálogo com os EUA sobre sanções à Venezuela

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

10 de fevereiro de 2015

Unasul

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Equador, Ricardo Patiño, anunciou hoje (10) que a União de Nações Sul-Americanas (Unasul) vai mediar com os Estados Unidos a questão das sanções a funcionários do governo do presidente venezuelano, Nicolás Maduro. "Decidimos procurar canais de diálogo e comunicação com o governo dos Estados Unidos que favoreçam o diálogo direto entre os dois países, no quadro do respeito pelos Estados e o princípio da não intervenção", disse.

Ricardo Patiño falou aos jornalistas em Montevidéu, na saída de uma reunião convocada a pedido de Caracas para analisar a situação venezuelana e o alcance das medidas anunciadas. "[É preciso] desenvolver o diálogo e atuar de maneira imediata, depois que se tomaram medidas. É muito importante que a reação seja imediata, que favoreça a paz, a concórdia e o diálogo."

Ricardo Patiño integrará uma comissão de diálogo da Unasul, que será constituída também pelos ministros dos Negócios Estrangeiros da Venezuela, Delcy Rodríguez, do Brasil, Mauro Vieira, e pelo secretário-geral da Unasul, Ernesto Samper. No dia 2 de fevereiro, os Estados Unidos anunciaram novas sanções (suspensão de vistos) a antigos e atuais funcionários do governo venezuelano, alegando que eles seriam responsáveis por violações dos direitos humanos na Venezuela.

Washington acusa Caracas de tentar "sufocar a dissidência", reprimindo manifestantes que protestam contra a deterioração da situação política, econômica e de segurança no país. Em julho, o governo dos Estados Unidos já tinha imposto restrições na concessão de vistos a 24 dirigentes venezuelanos, supostamente envolvidos em violações de direitos humanos e na repressão de protestos de grupos opositores a Maduro. A Venezuela acusa os Estados Unidos de ingerência nos assuntos internos e de promover ações para desestabilizar o governo do presidente Nicolás Maduro.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati