Um terceiro paciente com HIV parece ter sido curado de AIDS

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

5 de março de 2019

Na Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas em Seattle esta semana, não apenas um, mas dois novos casos de pacientes que tentativamente mostram sinais de serem curados foram apresentados. O segundo e terceiro pacientes são os chamados "pacientes de Londres" e "pacientes de Dusseldorf", que viram a doença entrar em remissão após um transplante de medula óssea de doadores com uma mutação genética rara. Pelo menos dois outros pacientes também receberam o tratamento, que provavelmente só pode ser usado em uma pequena quantidade de casos.

Pela segunda vez, um paciente com AIDS parece ter sido curado da doença após receber um transplante de células-tronco de um doador com uma mutação genética que fornece resistência ao HIV, que causa a AIDS. Mas a mutação é extremamente rara, levantando questões polêmicas sobre se ela pode ser replicada usando ferramentas de edição genéticas como CRISPR/Cas9.

Um paciente que foi diagnosticado com HIV em 2003 tornou-se o segundo paciente a ser curado da infecção que afeta cerca de 37 milhões de pessoas em todo o mundo depois de receber um transplante de medula óssea destinado ao tratamento do câncer, dizem os médicos. O paciente recebeu o transplante de células-tronco de um doador com uma rara mutação do CCR5 que permite a resistência ao HIV em maio de 2016 para tratar o linfoma de Hodgkin

Ravindra Gupta, médico, professor e pesquisador que ajudou a liderar o tratamento do homem, disse à Reuters: “Não há vírus que possamos medir. Não conseguimos detectar nada".

O caso é a primeira aparente replicação de outro em que um americano chamado Timothy Brown - também conhecido como "o Paciente de Berlim" - foi curado da AIDS após receber um transplante de células estaminais em 2007. O senhor Brown supostamente continua a viver sem HIV nos EUA.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati