UFRJ vai identificar todos os carros que entram no campus

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Agência Brasil

14 de março de 2017

Ainda neste semestre, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) vai instalar câmeras nos acessos ao campus da Ilha do Fundão, na zona norte da cidade, para identificar todos os veículos que entrarem na Cidade Universitária. A informação foi divulgada após o sequestro de quatro estudantes de medicina, ontem (13) no campus.

De acordo com a Polícia Militar (PM), quatro jovens foram rendidas no estacionamento da universidade e forçadas a entrar no carro, por volta das 13 h. “Após ser acionado por familiares das mulheres, o 2º BPM [Batalhão da Polícia Militar - Botafogo], em ação conjunta com outras unidades da Polícia Militar, conseguiu resgatá-las, seguindo um veículo suspeito pela Avenida Brasil. Os policiais recuperaram o carro na Rua 7 de Março, em Bonsucesso, mas os criminosos fugiram”, diz nota divulgada pela corporação.

A UFRJ informa que o campus está com 90% de área monitorada e que o próximo passo será a instalação de câmeras nos pórticos de acesso e que houve redução dos relatos de assalto a ônibus após reunião com o secretário de Segurança Pública, Roberto Sá, no final do ano passado.

“Paralelamente aos apelos às autoridades, o prefeito da UFRJ, Paulo Mario Ripper, tem participado de reuniões mensais com o Conselho de Segurança da Ilha do Governador, que reúne o comando do 17º BPM e da 37ª DP [Delegacia de Polícia], responsáveis, respectivamente, pelo patrulhamento e investigações dos crimes no Fundão”, diz a nota, informando que a Administração Central da UFRJ “está empenhada para prover mais segurança aos frequentadores dos campi da universidade”.

A UFRJ informa que está colaborando com a investigação, fornecendo as imagens das câmaras de segurança. Após o assassinato do estudante Diego Vieira Machado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em julho do ano passado, a segurança no campus do Fundão foi reforçada.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati