UE impõe sanções 'maciças' à Rússia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

25 de fevereiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Líderes da União Europeia anunciaram o que chamaram de sanções “maciças” contra a Rússia por invadir a Ucrânia durante uma cúpula de emergência em Bruxelas que se estendeu até as primeiras horas da sexta-feira. As medidas ocorrem em meio a relatos de tropas russas se aproximando cada vez mais da capital da Ucrânia, Kiev.

Este é o segundo conjunto de sanções da União Europeia contra Moscou em menos de uma semana, junto com as impostas pelos Estados Unidos e outras potências ocidentais. Os líderes da UE dizem que atingirão a Rússia em cinco áreas: os setores financeiro, de energia e de transporte, bem como por meio de controles de exportação e política de vistos.

Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, o braço executivo da UE, disse que eles terão um impacto máximo na economia da Rússia e sua elite política.

“Este pacote inclui sanções financeiras que cortam o acesso da Rússia aos mercados de capitais mais importantes”, disse ela. “Agora estamos visando 70% do mercado bancário russo, mas também empresas estatais importantes, incluindo o campo da defesa.”

Autoridades dizem que as sanções congelarão transações de muitos bancos russos, proibirão a venda de aeronaves e peças sobressalentes e limitarão o acesso russo a tecnologias-chave, entre outros efeitos.

As medidas mais recentes ocorrem no momento em que a Europa enfrenta sua maior ameaça à segurança desde a Segunda Guerra Mundial. Já está vendo as consequências quando os ucranianos que fogem do conflito começam a cruzar a fronteira para a Romênia, Hungria e Polônia.

O presidente Emmanuel Macron, da França, que detém a presidência rotativa da UE, disse que a França adicionará suas próprias sanções ao pacote e alertou que a guerra voltou novamente à Europa. Macron conversou com o presidente russo, Vladimir Putin, por telefone na quinta-feira. Falando a repórteres na sexta-feira, ele descreveu o líder russo como dúbio em suas conversas com ele.

Em toda a Europa, as pessoas estão saindo às ruas para protestar contra a invasão russa da Ucrânia.

Analistas como Marie Dumoulin, membro sênior do Conselho Europeu de Relações Exteriores, acreditam que a crise na Ucrânia está ajudando a unir a UE, às vezes turbulenta, de 27 membros.

“Putin está realmente ajudando os europeus a se unirem”, disse ela. “Se ele tivesse mantido uma espécie de estratégia híbrida, alimentando a incerteza… pode ter havido divisões. Mas com esta guerra total, não acho que haverá muita divisão dentro da UE.”

Os céticos, no entanto, sugerem que as sanções da UE podem ter um efeito limitado sobre Putin e suas intenções quando se trata da Ucrânia.

Fontes