UE alerta para necessidade de cuidados contra a gripe aviária

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

6 de outubro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram


Os Estados da UE (União Europeia) estão sendo instados a intensificar as medidas de vigilância e biossegurança para prevenir possíveis novos surtos de gripe aviária este ano. O alerta segue surtos de influenza aviária altamente patogênica (HPAI) entre aves selvagens e domésticas no oeste da Rússia e no Cazaquistão nos últimos meses. Esta região é uma rota de migração de outono conhecida para aves aquáticas selvagens que se dirigem para a Europa.

O norte e o leste da Europa são provavelmente os mais vulneráveis ​​a novos surtos, dada a experiência anterior. Quando o HPAI foi detectado na mesma área da Rússia nos verões de 2005 e 2016, seguiram-se epidemias no norte e no leste da Europa. Se o padrão se repetir este ano, espera-se que o HPAI chegue às mesmas áreas da Europa no outono ou inverno. A propagação subsequente para países do sul e oeste da Europa também é possível.

O alerta está incluído na última atualização sobre a gripe aviária na Europa e outros países. O novo relatório - compilado pela EFSA, Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças (ECDC) e Laboratório de Referência da União Europeia para a Gripe Aviária - refere-se ao período de maio a agosto de 2020.

O relatório recomenda que os países da UE:

  • Tomem medidas para detectar prontamente casos suspeitos de HPAI e aumentar as medidas de biossegurança nas granjas avícolas;
  • Avisem as autoridades veterinárias e de saúde da fauna silvestre sobre o provável risco da introdução do HPAI e incentive-os a realizar testes imediatos em aves silvestres mortas ou doentes.

É provável que a disseminação do vírus seja desencadeada por uma queda repentina e persistente nas temperaturas no centro da Rússia e no Cazaquistão. Vários estudos demonstram que as condições de clima frio levaram à rápida expansão para oeste do vírus HPAI por aves migratórias infectadas durante as ondas de 2005-2006 e 2016-2017.

O risco de transmissão do vírus da gripe aviária ao público em geral na Europa permanece muito baixo. No entanto, para minimizar o risco de transmissão a humanos, as pessoas são aconselhadas a não tocar em aves mortas sem usar equipamento de proteção individual adequado.



Fontes

Nota: o ECDC, em seu Copyright, libera "as informações e documentos" (...) para serem "reproduzidos, adaptados e/ou distribuídos, total ou parcialmente", desde que o "ECDC seja reconhecido como a fonte original".

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com