Turquia começa a bombardear curdos na Síria

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A guerra civil na Síria teve início em 2011

14 de fevereiro de 2016

Síria — A Turquia não esperou muito para neste sábado bombardear zonas de controlo dos combatentes curdos mais fortes da Síria o que incluiu um aeródromo de onde estes esperavam atacar os jihadistas do Daesh , o autodesignado Estado Islâmico.

O primeiro-ministro turco dissera em declarações na televisão que quando necessário, no caso de a Turquia se sentir ameaçada, poderia tomar a decisão de fazer o que fez no Iraque e em Qandil. Recorde-se que em 2015 a Turquia havia lançado ataques contra seus inimigos nas bases PKK, situadas nas montanhas de Qandil que pertence à região autónoma iraquiana do Curdistão, junto da fronteira Iraniana.

O primeiro-ministro, Davutoglu, manifesta a sua esperança no apoio dos seus amigos a aleados no sentido de combater as milícias que reconquistaram a cidade de Kobani aos jihadistas em Janeiro de 2015, com o apoio dos Estados Unidos e seus aliados que se formaram para combater o Daesh.

Os soldados turcos atiraram contra alvos no Norte da província de Alepo, local esse onde o PYG domina desde 2012, em grande parte do território e de onde estes expulsaram o regime de Bashar al-Assad. Os ataques em torno de Azaz, junto à fronteira tiveram como objetivo a base aérea de Menagh.

O governo turco não está nada satisfeito com o facto de os curdos estarem cada vez mais próximos da sua fronteira com a Síria, enquanto por outro lado dá sinais de recuperar zonas a Ocidente, sob o domínio dos rebeldes.

Assad juntamente com o apoio dos russos, na tentativa de recuperar a cidade de Alepo já causaram, desde o inicio do mês, o movimento de muitos milhares de refugiados. Foram desde então 50 mil civis que tentaram passar a fronteira. No total, são 100 mil os que se encontram em campos que os turcos fizeram no lado sírio da fronteira. É de salientar que na Turquia estão cerca de 2,6 milhões de refugiados sírios. Na quarta-feira, o presidente Recep Erdogan manifestou o seu desagrado pelo apoio dos EUA aos seus inimigos curdos da Síria.

O exército livre, formado primeiramente por desertores das milícias de Assad, inclui agora grupos designados como moderados e os considerados islamistas. Estes são os mais importantes a operar no terreno aos quais os EUA validam como interlocutores.

A aviação russa deu continuidade aos bombardeamentos um pouco mais a sul, sendo estes ataques assim como disse Dovotiglu apontados como bárbaros, tiranos e com uma mentalidade medieval.

Guerra Fria

Um pouco antes da Conferência de Segurança de Munique, o ministro dos Negócios Estrangeiros turco, Mevlut Cavusoglu, reconheceu que Ancara poderá vir a combater ao lado dos sauditas, os jihadistas do Daesh se isso fizer sentido. Nesta altura a Arábia Saudita vai enviar aviões para a base turca de Incirlik, local esse onde os EUA têm como partida aviões que se destinam a atacar os radicais. O primeiro-ministro russo diz que um ataque terrestre contra o Daesh que dê entrada na Síria por parte de tropas estrangeiras, é capaz de precipitar uma terceira guerra mundial.

Depois de russos e americanos terem assinado um acordo para a cessação do conflito na Síria, Dmitri Medvedev, disse já neste Sábado, em Munique, que a politica da Nato para com a Rússia continua hostil e opaca, sendo que como que recuaram para uma Guerra Fria. Declara ainda que chamam a Rússia de uma forte ameaça à Nato, à Europa e aos EUA.

Fonte


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati