Trump confirma ciberataque dos EUA à Rússia em 2018

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

13 de julho de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Durante uma entrevista do Oval Office ao Washington Post, o presidente dos EUA, Donald Trump, reconheceu pela primeira vez que, em 2018, ele autorizou um ciberataque secreto contra a Agência de Pesquisa da Internet da Rússia, a fazenda de trolls de São Petersburgo que liderou a interferência russa nas eleições presidenciais de 2016 e estava fazendo o mesmo nas eleições de meio de mandato de 2018. Perguntado se ele havia lançado o ataque, Trump respondeu: "Correto".

Trump disse que em 2016 o presidente Barack Obama “sabia antes das eleições que a Rússia estava brincando. Ou, ele foi informado. Se foi ou não assim, quem sabe? E ele não disse nada. E a razão pela qual ele não disse nada foi que não queria tocar no assunto porque pensava que [Hillary Clinton] estava ganhando porque leu pesquisas falsas. Então, ele pensou que ela ia ganhar. E tivemos a maioria silenciosa que disse: 'Não, gostamos de Trump'."

Ao contrário de Obama, diz Trump, ele agiu com base na informações de inteligência que recebia sobre a interferência eleitoral da Rússia, atacando suas capacidades cibernéticas. "Olha, nós paramos", disse o presidente.

O ataque cibernético foi noticiado anteriormente no The Post, mas Trump nunca o tinha confirmado oficialmente até agora. Altas autoridades americanas também confirmaram que o ataque ocorreu e foi eficaz, deixando a Agência de Pesquisa da Internet offline.

A interferência russa nas eleições de meio de mandato de 2018 foi séria e generalizada. Em fevereiro de 2018, o então diretor de Inteligência Nacional, Daniel Coats, testemunhou perante o Comitê de Inteligência do Senado que "os Estados Unidos estão sob ataque" e que a Rússia havia sido encorajada em 2018 pelo sucesso de suas operações de influência anteriores, para as quais os Estados Unidos não impuseram nenhum preço. Durante a audiência, os democratas acusaram o governo Trump de não se preparar para proteger a votação de 2018. “Tivemos mais de um ano para agirmos em conjunto e enfrentar a ameaça representada pela Rússia e implementar uma estratégia para impedir futuros ataques. Mas ainda não temos um plano ”, disse o principal democrata do comitê, o senador Mark R. Warner (Virgínia), aos chefes da inteligência.


Notícias Relacionadas

Fontes

Domínio Público Esta notícia é uma transcrição parcial ou total da PanARMENIAN.
Este texto pode ser utilizado desde que seja Atribuído corretamente aos autores e ao sítio oficial
.
Veja os termos de uso (copyright) na página da PanARMENIAN
Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com