Três correspondentes da RFE entre centenas de detidos em protestos em Moscou

25 de fevereiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Pelo menos três correspondentes do Serviço Russo da RFE/RL foram presos em Moscou na tarde de quinta-feira, enquanto cobriam uma manifestação pacífica contra a invasão russa da Ucrânia.

A RFE faz parte da United States Agency for Global Media (USAGM).

Segundo relatos locais, os jornalistas foram presos apesar de um deles ter dito repetidamente aos policiais que era membro da imprensa.

Em um vídeo da prisão filmado por um dos jornalistas — que ele conseguiu transmitir enquanto a prisão estava sendo feita — pode-se ouvir o agente que executou a prisão pedindo para parar de usar a força física contra o comunicador.

O vídeo instável, com duração de quase dois minutos, mostra o jornalista sendo escoltado para a Praça Pushkinskaya ao anoitecer e sendo carregado em um ônibus da polícia com cerca de 20 outros detidos.

De acordo com correspondentes em Moscou, os detidos deveriam ser levados para a delegacia de polícia da sede da polícia de Kuntsevo.

Emergiu de reportagens da imprensa que funcionários de outros meios de comunicação também foram presos. A presença das forças de segurança no centro de Moscou foi reforçada e incluiu uma presença notável de equipamentos especiais e combatentes da Guarda Nacional.

As prisões ocorreram depois que 300 a 700 pessoas se reuniram perto do monumento ao escritor Alexander Pushkin cantando “não à guerra!” para rejeitar a decisão do presidente russo, Vladimir Putin, de invadir a vizinha Ucrânia.

A organização sem fins lucrativos OVD-Info , que conta com as detenções policiais em toda a Federação Russa, informou que pelo menos 1.620 pessoas foram detidas em 52 cidades russas e que só em Moscou as prisões somam 290 pessoas.

O canal Telegram Baza informou na quinta-feira que a polícia de Moscou recebeu ordens de usar toda a sua capacidade para reprimir qualquer tentativa que possa ser considerada “uma provocação”, incluindo o levantamento de bandeiras ucranianas e cartazes com declarações contra o governo Putin.

Fontes