Tráfico de vagas escolares em Luanda

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Província de Luanda, Angola.

Agência VOA

Localização de Luanda.

Cada aluno tem que pagar quinhentos dólares para garantir matrículas.

2 de fevereiro de 2015

Com o começo do ano escolar os “traficantes de vagas” estão a exigir centenas de dólares para estudantes se poderem matricular no ensino secundário e apesar de denúncias contínuas as autoridades nada fazem para impedir o crime.

Várias familiares terão os seus educandos fora do sistema de ensino por não terem dinheiro para as matrículas. Cidadãos denunciaram à Voz da América que para matricular o seu filho no ensino médio as instituições cobram mais de 50 mil Kwanzas, cerca de 500 dólares norte americanos.

O director provincial da Educação em Luanda, André Soma, tinha prometido anteriormente que quem fosse apanhado a traficar vagas seria responsabilizado, mas até ao momento ninguém ainda foi punido.

Jornais, rádios e sites na Internet têm denunciado constantemente instituições escolares que cobram cerca de 500 dólares para matricular um candidato ao ensino secundário, que a constituição afirma ser algo gratuito.

Margarida Domingos afirma que foi confrontada com esta realidade quando foi matricular o seu educando numa das instituições.

“Fui matricular o meu irmão no Instituto Medio de Medicina e me estão a cobrar 50 mil kwanzas, eu não tenho este dinheiro”, disse.

Outra encarregada de educação que preferiu o anonimato disse que as matrículas para os educandos estão cada vez mais difíceis.

“Na verdade as vagas estão muito difíceis”, realçou.

De recordar que este comportamento repete-se todos os anos e os cidadãos apontam o dedo aos directores das escolas como promotores destes actos, criando dificuldades às inscrições de novos candidatos, priorizando famílias com maior poder económico.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati