Tibetanos desafiam a China para comemorar online o aniversário do Dalai Lama

Dalai Lama (2007)

14 de julho de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Agência VOA

Em toda a Região Autônoma do Tibete, onde a China proíbe a posse e exibição da imagem do Dalai-lama, os tibetanos recorreram às plataformas de mídia social para postar observações de aniversário mostrando sua devoção ao líder budista tibetano.

Eles compartilharam postagens de poemas e orações em tibetano. Eles postaram fotos de seus pés, sapatos e a silhueta de seu corpo em vestes marrons.

Muitos posts referem-se ao Dalai Lama eufemisticamente como "idoso pai" ou "o homem santo".

Uma mensagem em tibetano dizia: "Parabéns a nosso idoso pai em 6 de julho." Outras imagens e filmagens do Tibete mostraram tibetanos marcando o dia de forma criativa. Um homem usava um suéter com o número "86" bordado nas costas.

A VOA Tibetana contatou a Embaixada da China em Washington por telefone e e-mail para um comentário sobre as observações do aniversário, mas não recebeu resposta.

Os tibetanos reverenciam o Dalai Lama, que fugiu de sua terra natal em 1959 e desde então vive na cidade de Dharamsala, no norte da Índia. Mais de 140.000 tibetanos vivem no exílio, principalmente na Índia. Mais de 6 milhões de tibetanos vivem na Região Autônoma do Tibete e em outras prefeituras autônomas nas províncias chinesas vizinhas.

As autoridades chinesas há muito proibiram as fotos do Dalai Lama e a expressão de devoção pública ao líder espiritual. A China o acusa de tentar separar o Tibete da China.

O Dalai Lama disse repetidamente que busca maior autonomia para o Tibete, não independência da China.

O compartilhamento de fotos do Dalai Lama e seus ensinamentos e palestras em desacordo com a lei chinesa resultou na prisão de tibetanos em regiões tibetanas.

A China respondeu à condenação internacional das supostas violações dos direitos humanos de Pequim no Tibete dizendo que suas ações "são assuntos internos da China e o mundo exterior não deve interferir", como repetiu o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, em uma entrevista coletiva em 23 de junho.


Fonte