Termina campanha eleitoral em Moçambique

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

25 de outubro de 2009

Maputo, Moçambique


Armando Guebuza, candidato presidencial da FRELIMO, partido no poder, terminou os 45 dias de campanha em Nampula, no norte do país, e o maior círculo eleitoral de Moçambique.

Daviz Simango, presidente do novo partido MDM e também candidato a Presidente da República, terminou a campanha na Beira, onde é presidente da Câmara e onde tem maiores apoios.

Afonso Dhlakama, da RENAMO, esteve domingo em Maputo.

Com 19 partidos e coligações a concorrerem às eleições de quarta-feira, a maior parte das formações vai acabar a campanha como começou, sem acções visíveis, mas FRELIMO, RENAMO e MDM vão aproveitar para mostrar todo o seu poder, para descansarem depois durante os dois dias de reflexão.

Depois de uma campanha que começou a 13 de setembro, segunda e terça-feira serão dias de reflexão, estando proibida qualquer actividade partidária, e, na quarta-feira cerca de 10 milhões de eleitores irão escolher, para os próximos cinco anos, o Presidente da República e os deputados à Assembleia da República e às assembleias provinciais.

A FRELIMO, partido no poder em Moçambique, minimizou o objectivo de uma “maioria absoluta” nas eleições gerais da próxima quarta-feira, mas manifestou-se confiante numa “vitória esmagadora”.

A FRELIMO, no poder em Moçambique desde a independência do país, tem sido acusada pelos seus adversários de tentar a todo o custo uma maioria absoluta, que lhe permita alterar a Constituição, para acomodar um terceiro mandato ao actual chefe de Estado e candidato presidencial do partido, Armando Guebuza.

Falando na conferência de imprensa de balanço dos 45 dias de campanha eleitoral, que termina hoje, o porta-voz da FRELIMO, Edson Macuácua, afirmou que o objectivo do partido “é fazer melhor do que nas anteriores eleições”.

“Não é nosso objectivo conseguir a maioria de dois terços. Temos falado em conseguir uma vitória esmagadora, mas nunca definimos nenhuma escala nos resultados que pretendemos”, sublinhou o porta-voz.

Fontes

Public domain Esta notícia é uma transcrição parcial ou total da Agência Voice Of America (VOA).
Este texto tem licença de
Domínio Público.
Veja toda a licença e os termos de uso (copyright) na página da agência


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati