Taxistas de Luanda esperam por pagamento pelo serviço prestado ao MPLA

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

Associação dos Taxistas de Luanda diz ter recebido o dinheiro e pede calma aos taxistas.

28 de março de 2017

Aumentou para dois mil o número de taxistas que reclamam de falta de pagamento por parte dos responsáveis do MPLA, depois de terem sido contratados para transportar pessoas para o comício do partido no poder no sábado, 25, no Zango 3. Na ocasião, foi apresentado o cabeça de lista do MPLA, João Lourenço.

Na manhã da segunda-feira (27), o Governo Provincial de Luanda garantiu que um dos seus responsáveis e o presidente da Associação dos Taxistas de Luanda (ATL), Manuel Faustino, iriam ao banco para levantar o dinheiro devido.

Geraldo Wanga, presidente da Associação Nova Aliança dos Taxistas de Angola (ANATA), disse à VOA que até ao fecho dos “bancos angolanos tal não tinha acontecido”.

Wanga esclarece que a sua associação teve garantias dos responsáveis do Governo provincial de Luanda de que tudo está a ser feito para resolver o problema, que já não é da responsabilidade do MPLA.

Por sua vez, em comunicado, a Associação dos Taxistas de Luanda (ATL), dirigida por Manuel Faustino, também retira a responsabilidade desse incumprimento ao MPLA e diz que a sua associação já tem todo o montante da dívida na sua conta bancária e pede a compreensão dos taxistas.

Refira-se que, ainda segundo Geraldo Wanga, um dos seus filiados foi atingido por três tiros pela Polícia da Ordem Pública, no sábado ultimo (25), quando tentava dispersar os taxistas que bloqueavam a estrada principal na zona do cemitério do Santana.

“Este comportamento não se regista pela primeira vez, dos quatro disparos três atingiram o nosso filiado”, denunciou.

Ainda no sábado, os taxistas agrediram fisicamente o vice-presidente da Associação dos Taxistas de Luanda (ATL), José Bernardo, na zona de Viana.

Notícia Relacionada

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati