Talibã rejeita pedido da ONU para reverter regras sobre mulheres afegãs

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

28 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O Talibã recusou novos apelos das Nações Unidas para que os governantes islâmicos revertam as restrições aos direitos humanos das mulheres no Afeganistão, dizendo que estão de acordo com os valores religiosos e culturais locais.

O Ministério das Relações Exteriores do grupo linha-dura emitiu um comunicado na sexta-feira rejeitando as preocupações da ONU como “infundadas”. Ele instou a comunidade global a “não aprovar veredictos com base em reportagens maliciosas e antagônicas de alguns meios de comunicação ou propaganda” pelas forças de oposição afegãs.

Em declarações consecutivas nesta semana, o Conselho de Segurança da ONU e o observador especial do órgão mundial sobre a situação dos direitos humanos no Afeganistão expressaram “profunda preocupação” e criticaram duramente a última ordem do Talibã para que as mulheres se cubram totalmente em público, incluindo seus rostos.

O Ministério do Vício e da Virtude do Talibã, encarregado de interpretar e aplicar a versão do Islã do Talibã, também obrigava apresentadoras de canais de TV afegãos a cobrirem seus rostos quando estivessem no ar.

O governo interino do Talibã, apenas para homens, suspendeu o ensino médio para a maioria das adolescentes, impediu que funcionárias em alguns departamentos governamentais retornassem aos seus empregos, proibiu as mulheres de viajar além de 70 quilômetros, a menos que acompanhadas por um parente do sexo masculino, e as aconselhou a ficar em casa.

A declaração do Talibã de sexta-feira observou que o “governo considera que a observância do hijab islâmico está de acordo com as práticas religiosas e culturais da sociedade e as aspirações da maioria das mulheres afegãs”. Ele continuou enfatizando que “nada foi imposto ao povo afegão que vá contra as crenças religiosas e culturais da sociedade islâmica”.

O Talibã instou a comunidade internacional a “mostrar respeito” pelos valores afegãos, insistindo que acredita na resolução de problemas por meio do diálogo.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Talibã disse na sexta-feira que as escolas secundárias públicas estão abertas em cerca de uma dúzia das 34 províncias afegãs. Ele disse que “escolas particulares da primeira série até os níveis universitários” estão abertas em todo o Afeganistão.

Abdul Qahar Balkhi observou que a maioria das funcionárias públicas, ou 120.000, estava de volta ao trabalho no Afeganistão. Eles incluíam 94.000 no Ministério da Educação e 14.000 no Ministério da Saúde, disse ele.

O resto das mulheres estava trabalhando em outros departamentos, incluindo o Ministério do Interior, passaportes e escritórios de imigração.

Fontes[editar | editar código-fonte]