Talibã já governa o Afeganistão; líderes mundiais se pronunciam

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

16 de agosto de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Representantes do Talibã ocuparam o palácio presidencial ontem à tarde, em horário local, oficializando a tomada de poder no Afeganistão, após cercar a capital Cabul por menos de 12 horas. Pouco antes, o presidente afegão, Ashraf Ghani, havia deixado o país, anunciando que tomava essa decisão para evitar derramamento de sangue.

Representantes do grupo extremista anunciaram que querem implantar o governo de forma pacífica, porém a declaração não convenceu a todos. Há relatos de que durante as últimas semanas, enquanto tomavam diversas cidades do país após a saída dos militares dos Estados Unidos, o grupo começou uma ofensiva contra as mulheres, exigindo que as jovens solteiras fossem entregues para se casarem com combatentes talibãs e que as mulheres usassem burcas.

A ativista vencedora do Nobel da Paz Malala Yousafzai escreveu ontem em seu Twitter que estava "profundamente preocupada com as mulheres, as minorias e os defensores dos direitos humanos" e que as "potências globais, regionais e locais devem exigir um cessar-fogo imediato, dar ajuda humanitária urgente e proteger refugiados e civis".

Reações de líderes

Boris Johnson também abordou a situação em seu Twitter, dizendo que a situação era "muito difícil" e que o ocidente deveria trabalhar unido para lidar com o novo governo e que ninguém queria que o país voltasse a ser uma terra do terror.

Já Jens Stoltenberg, secretário geral da OTAN, disse que, junto com países aliados, a Organização estava trabalhando para manter o aeroporto de Cabul aberto e para ajudar a evacuar os cidadãos estrangeiros e outras pessoas, muitas das quais pediram asilo político a países ocidentais.

Criticas ao Governo Biden

Durante o domingo, choveram críticas ao Governo Biden. No entanto, o secretário de Estado, Antony Blinken, disse que a continuidade das tropas aliadas no país não resolveria o conflito. “A ideia de que seria possível manter o status quo pela continuação de nossa presença militar lá é simplesmente errônea”, enfatizou.

Biden, no sábado, já havia declarado que não passaria a guerra para outro presidente. "Fui o quarto presidente a presidir a presença de tropas americanas no Afeganistão [foram dois republicanos e dois democratas]. Eu não iria e não irei entregar esta guerra para um quinto", enfatizou.

Os Estados Unidos e aliados combateram no Afeganistão nos últimos 20 anos, com a ofensiva tendo iniciado após a derrubada das Torres Gêmeas, o que custou cerca de 83 bilhões de dólares aos cofres públicos.

O tratado de saída das tropas estadunidenses foi assinado ainda no ano passado pelo então presidente Donald Trump durante uma reunião com mediadores em Doha, no Catar.

Notícias Relacionadas

Fontes